Com a presença de aproximadamente 150 pessoas, mulheres do Território de Identidade Piemonte Norte do Itapicuru tiveram participação destacada na II Conferência Territorial de Desenvolvimento Sustentável e Solidário, encerrada nesta sexta-feira (26) no município de Senhor do Bonfim, região norte do estado.

Durante plenária setorial intitulada ‘A expressão da mulher na luta por um Brasil e uma Bahia Rural Sustentável e Solidária’, agricultoras familiares e o público em geral promoveram discussões em torno das necessidades vivenciadas pela comunidade rural do território, que integrado por nove municípios.

“É necessária a busca por uma igualdade que não é de gênero e sim de direitos; as mulheres precisam ser iguais nos direitos e no acesso às políticas públicas no campo e na cidade”, afirmou Bernadete Simões, articuladora territorial da Secretaria de Planejamento do Estado da Bahia (Seplan).

Espaço justo

As discussões entre os participantes do evento – iniciado na quinta – estiveram voltadas para as necessidades cotidianas das mulheres que vivem no campo e que também são, muitas das vezes, chefes de família dentro das unidades de produção familiar.

De acordo com a representante do Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras Assentados e Acampados (Ceta), Marenize de Jesus Oliveira, as mulheres precisam perder o medo de participar politicamente das discussões para tornar a sociedade um espaço justo “do jeito que a gente quer”.

A representante da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA), Telma Magalhães. que compôs a mesa de trabalho, chamou a atenção para a necessidade de um grande envolvimento e participação do público na conferência como um todo, para que suas reais necessidades sejam apresentadas e sanadas, pelo poder público, por meio de políticas públicas direcionadas ao segmento.

As atividades do evento seguiram nesta sexta-feira (26) com debates em grupos de trabalho sobre temas como a Reforma Agrária e Democratização do Acesso à Terra e aos Recursos Naturais e Abordagem Territorial como Estratégia de Desenvolvimento Rural e Promoção da Qualidade de Vida. As discussões incluíram ainda os assuntos Desenvolvimento Socioeconômico e Ambiental do Brasil Rural e Fortalecimento da Agricultura Familiar, Gestão e Participação Social.