As obras das três Bases Comunitárias de Segurança do Complexo do Nordeste de Amaralina, que integram o programa Pacto pela Vida, estão em fase de conclusão. As unidades vão atender aos bairros do Nordeste, Santa Cruz e Vale das Pedrinhas, a fim de combater o tráfico de drogas e outros tipos de crimes na localidade. A ação beneficiará uma população de 120 mil moradores.

Na base comunitária que atenderá ao bairro da Santa Cruz, o prédio construído em um terreno da Escola Estadual Dionísio Cerqueira, na Rua do Futuro, está na etapa de acabamento. Segundo o engenheiro responsável, Marcelo Brito Gomes, a pintura da unidade já começou. Falta terminar a área externa, composta por gramado, estacionamento e rampa de acesso.

A unidade localizada no Centro Social Urbano (CSU) para atender aos moradores do Nordeste está com mais de 70% das obras finalizadas. O espaço cedido pelo CSU foi completamente reformado, tendo sido colocadas instalações elétricas, divisórias e recuperados os banheiros. O imóvel alugado na Rua Coréia do Sul, que abrigará a base do Vale das Pedrinhas, também passa por reforma. Nela, serão colocadas as divisórias, a cobertura e iniciadas as pinturas.

De acordo com o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Alfredo Braga de Castro, as Bases Comunitárias de Segurança funcionarão ainda este ano e vão realizar as mesmas ações implementadas no Calabar, proporcionando atividades ligadas aos direitos humanos e às necessidades da comunidade. Para as obras de adequação dos espaços estão sendo investidos quase R$ 790 mil. Além disso, serão empregadas 13 viaturas e 25 câmaras de monitoramento para cobrir a área das três localidades.

Policiais capacitados

Nesta quarta-feira (14), os 360 policiais militares designados para atuar nas bases do complexo do Nordeste de Amaralina participaram de uma palestra motivacional, ministrada pelo comandante-geral da PM, coronel Alfredo Braga de Castro, e o delegado-geral da Policia Civil, Hélio Jorge Paixão.

Para trabalharem nas bases os policiais foram qualificados com a metodologia de polícia comunitária, nos moldes do sistema japonês Koban. O curso técnico foi elaborado e desenvolvido pela Secretaria Nacional de Segurança Pública, Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores, a Polícia Militar do Estado de São Paulo e a Agência de Cooperação Internacional do Japão.

Pacto pela Vida

O Pacto pela Vida tem como objetivo principal a redução da violência e da criminalidade, com ênfase na diminuição dos crimes contra a vida. Para isso, diversos órgãos da administração estadual atuarão de forma transversal e integrada, de modo a levar às comunidades não só ações de segurança como outros serviços públicos essenciais.

Dentre as ações já desenvolvidas ou em andamento no Pacto Pela Vida estão a criação do Departamento de Homicídios e de Proteção à Vida (DHPP), a implantação de Bases Comunitárias de Segurança, a realização de ações sociais, a exemplo do Saúde em Movimento e do SAC Móvel, o treinamento de oficiais e praças para atuação no programa e a instalação das câmaras setoriais de Articulação dos Poderes, de Segurança Pública, de Administração Prisional, de Prevenção Social, e de Enfrentamento ao Crack.