Os alunos da rede estadual estão em clima de torcida para as finais regionais do Festival Anual da Canção Estudantil (Face) e do projeto Tempos de Arte Literária (TAL), que acontecem nas 33 diretorias regionais (Direcs). Após as etapas realizadas em 1.187 escolas baianas, os estudantes selecionados vão concorrer com os de outras unidades e disputar apenas uma vaga para a grande final dos projetos.

As obras literárias selecionadas nas etapas regionais serão lançadas no Sarau Estadual do TAL, previsto para 20 de outubro, na Praça Tereza Batista (Pelourinho, em Salvador). Já as canções que se destacarem vão integrar o repertório de um show que marca a final do Face, programado para 18 de novembro, na Concha Acústica do Teatro Castro Alves, também na capital baiana.

Esta é a primeira vez que Deivison Sousa, estudante do 2° ano do Centro Educacional de Seabra, participa do TAL e já foi escolhido para representar a escola na etapa regional. “É uma honra representar a minha escola. Vou apresentar o poema Lúcida Lúcia, que trata da mulher nordestina. Minha expectativa é a melhor possível, pois estou recebendo o incentivo dos professores e colegas”.

Este também é o primeiro ano de Adriane Cabral, aluna do Colégio Nossa Senhora da Conceição, no município de Varzedo, que vai apresentar a canção Música é Arte no Face. “Estou gostando muito de participar, porque já era um sonho. Fiz a música em conjunto com mais dois colegas, e ficou bem legal. A gente se superou”.

As regionais do TAL e do Face serão realizadas até o dia 30 deste mês em todo o estado. Cada região tem um calendário próprio.

Artes estudantis na Bahia

Desde 2008, a Secretaria Estadual da Educação (SEC) busca sedimentar as diversas linguagens artísticas no currículo escolar. Além do Face e do TAL, o projeto Artes Visuais Estudantis (AVE), que também integra a nova política para a juventude baiana, ganha destaque nesse cenário.

O Face, o TAL e o AVE envolvem anualmente mais de um milhão de estudantes da 5ª série do ensino fundamental à 3ª série do ensino médio e equivalentes (EJA – Educação de Jovens e Adultos, Ensino Normal e Tecnológico), assim como professores de língua portuguesa, arte e disciplinas afins, coordenadores pedagógicos, técnicos e diretores das escolas e das Direcs.