Ficam instituídos o Sistema de Defesa Social (SDS) e o Programa Pacto pela Vida a partir da publicação, no Diário Oficial do Estado desta terça-feira (27), da sanção da lei aprovada pela Assembleia Legislativa. O SDS será implementado em articulação com os poderes Legislativo e Judiciário, Ministério Público e Defensoria Pública do Estado.

A função do SDS, conforme a lei, será formular, implantar, monitorar e avaliar a Política Pública de Defesa Social. Para isso, está prevista a integração de projetos e ações nas áreas de Educação, do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, da Cultura, do Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza, da Saúde, da Promoção da Igualdade Racial, de Políticas para as Mulheres, da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, da Segurança Pública e da Administração Penitenciária e Ressocialização.

A lei estabelece, ainda, que o planejamento, a coordenação e o acompanhamento das ações são de competência do Comitê de Governança do SDS, formado pelo governador, presidentes da Assembleia Legislativa e do Tribunal de Justiça, pelo procurador-geral de Justiça e pelo defensor público-geral do Estado.

Já o Programa Pacto pela Vida consiste, segundo a publicação, no conjunto de projetos e atividades desenvolvidas por diversos órgãos do Poder Público e em interação com a sociedade civil para promover a redução da criminalidade e a violência no estado, com ênfase na prevenção e combate aos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI).

Integração das secretarias garante inclusão social

O secretário da Segurança Pública, Maurício Barbosa, destacou a importância da participação de diversas Secretarias no Sistema de Defesa Social e do fato de se publicar uma lei tratando do assunto. “É um grande passo para a consolidação do Pacto pela Vida. E essa publicação faz com que o pacto seja assumido como um programa de Estado, em defesa da sociedade, e não apenas de governo”.

Coordenador do Comitê Executivo do Pacto pela Vida e secretário de Comunicação, Robinson Almeida disse que “o SDS inova na elaboração e implementação de políticas públicas de segurança, pois combina repressão e prevenção com inclusão social”. De acordo com ele, 11 secretarias de Estado participam, assegurando a integração das diversas áreas de governo.

O secretário do Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza, Carlos Brasileiro, concorda que a transversalidade é a grande virtude do SDS. “É como diz o governador Jaques Wagner, segurança pública não é somente policiamento e repressão. Em uma ponta, é, sim, necessário cuidar de quem já está na marginalidade. Mas, há o outro lado, que é zelar para que quem não está no descaminho tenha oportunidade, emprego, renda, lazer, esporte, e não se sinta motivado a procurar o mundo do crime”.

Para o secretário da Administração Penal e Ressocialização, Nestor Duarte, o Pacto pela Vida é um dos maiores programas de Estado, a nível de Brasil. “Desde a sua criação, os índices de criminalidade da Bahia diminuíram significativamente, demonstrando o sucesso de uma nova ideia que jamais tinha sido vista anteriormente em nosso estado”.