A Companhia de Desenvolvimento Urbano da Bahia (Conder) iniciou, este mês, um programa de manutenção preventiva para manter os casarões, monumentos e ruas do Pelourinho sempre em bom estado de conservação. O trabalho vai durar um ano, com investimento de R$ 15 milhões.

De acordo com o diretor de Habitação do órgão, Ubiratan Cardoso, a proposta é nova e, ao invés de grandes intervenções, promoverá a recuperação pontual e constante. Nas ruas principais, consideradas mais movimentadas e visitadas, os casarões serão pintados, a pavimentação e os monumentos históricos recuperados, os telhados limpos e as lâmpadas queimadas trocadas sempre que houver necessidade.

“É como se essa área fosse uma espécie de condomínio, onde vamos fazer a manutenção geral. Uma lâmpada queimou, imediatamente vamos lá e trocamos. Apareceu um buraco no calçamento, vamos lá e concertamos. O mesmo com a as fachadas – a pintura manchou, imediatamente pintamos”, diz Cardoso.

Uma equipe com cerca de 30 homens trabalha na manutenção do Centro Histórico. Já foram recuperadas e pintadas as fachadas e telhados de casarões na Praça do Cruzeiro de São Francisco, nas ruas Gregório de Mattos, Rua Alfredo de Brito e das Laranjeiras, além do Portal do Carmo. Inicialmente, o trabalho é feito nos casarões mais degradados. Depois as intervenções chegarão a todos os casarões.

Para reduzir a poluição visual, durante os reparos estão sendo usadas plataformas hidráulicas ao invés de andaimes. O equipamento que funciona como um guindaste leva o operário até o ponto da intervenção. Ao fim do dia, ele é recolhido, causando o mínimo de transtorno aos visitantes. O diretor explica que em alguns pontos de menos movimentação são usados os andaimes, “mas as plataformas nos permitem ter agilidade”.

Um galpão depósito também foi montado no centro histórico para armazenar o material de reposição como lâmpadas, tintas, massa, entre outros itens. Isso garante a agilidade da ação, com a manutenção sendo feita assim que o problema aparece. “Estou achando muito bom. O Pelourinho precisava disso. Espero que neste verão os turistas venham nos visitar e levem uma boa impressão, o que acaba atraindo mais gente”, disse a comerciante Patrícia Pacheco.

Sétima etapa da recuperação do CHS entra na fase final

Ao mesmo tempo em que o trabalho de manutenção é realizado estão sendo finalizadas as reformas de 30 casarões incluídos na sétima etapa do Programa de Requalificação do Centro Antigo de Salvador. Estão sendo investidos R$ 54 milhões. Parte dos imóveis será para o programa de Habitação de Interesse Social, que beneficia famílias de baixa renda.

Ao todo está prevista a reforma de cerca de 80 casarões, que somam 250 unidades habitacionais, sendo que 25 delas já foram entregues. Uma parte dos imóveis será disponibilizada para servidores públicos, por meio do programa Prohabit. “A idéia é promover a revitalização com a chegada de moradores fixos, que trazem vida para o Centro Histórico”, afirma o diretor de Habitação da Conder, Ubiratan Cardoso.