Os investidores do Fundo Russell 20-20, associação de investidores de vários países interessados em conhecer projetos de desenvolvimento, manifestaram, hoje (17), durante café da manhã, em Brasília, com representantes dos estados nordestinos, o desejo de aplicar mais recursos na Bahia e na região nordeste. Eles querem conhecer, in loco, alguns dos principais projetos capitaneados pelo governador Jaques Wagner que necessitam de recursos.

No encontro, o diretor-executivo do Fundo Russell, Brian Davis, e o embaixador do Brasil nos EUA, Clifford Sobel, anunciaram aos secretários da Indústria e Comércio, Rafael Amoedo, da Agricultura, Geraldo Simões, e do Turismo, Domingos Leonelli, que representaram o governador, a vinda de uma missão de associados do fundo à Bahia.

O líder da bancada do nordeste, na Câmara Federal, deputado Zezéu Ribeiro, considerou a iniciativa importante, salientando que “a região nordestina apresenta bom ritmo de crescimento e esse potencial precisa ser aproveitado, principalmente na Bahia, onde está crescendo a taxa de emprego e da atividade industrial”.

Estavam presentes, os governadores do Maranhão, da Paraíba, e do Ceará, além de representantes dos demais estados, da Subsecretaria de Assuntos Federativos do Palácio do Planalto e da Sudene.

Os três secretários consideram a intenção dos investidores estrangeiros de enviar uma missão à Bahia, como um sinal positivo, pois demonstra que os projetos do Estado despertaram interesse.

Rafael Amoedo acredita que é possível atrair investimentos do Fundo Russell para financiar os projetos de construção da ferrovia leste-oeste, projetos industriais, de mineração, irrigação, turismo, infra-estrutura, agricultura familiar, fortalecimento da cadeia produtiva do cacau, etanol, biodielsel, além de construção de novos aeroportos.

Na área de mineração, os empreendimentos minero-industriais voltados para a lavra e beneficiamento farão dobrar o valor da produção mineral do estado. “Projetos de qualidade não faltam ao estado. E os empreendimentos minerais estão criando emprego e renda em regiões carentes”, disse Amoedo.

Geraldo Simões ficou entusiasmado com o interesse demonstrado pelo potencial agrícola do estado, principalmente, da agricultura familiar e das atividades relacionadas com a lavoura cacaueira.

Para Domingos Leonelli, é importante incrementar desde os Programas de Ação do Turismo Étnico Afro da Bahia até o turismo náutico, “para reagir aos problemas decorrentes da aviação brasileira, retomar os mercados, atrair mais turistas estrangeiros e brasileiros, além de estimular a participação e promoção da Bahia nas feiras internacionais”.

O vice-presidente da República, José de Alencar, defendeu a convocação de uma constituinte exclusiva para a votação das reformas Política e Tributária. Depois, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, fez uma apresentação restrita aos investidores. No almoço de encerramento do encontro, o presidente da Aneel, Jerson Kelman, tentou atrair os estrangeiros, afirmando que o crescimento do país vai aumentar o consumo per capita e, em conseqüência, as necessidades dos setores de infra-estrutura.