O PORTAL OFICIAL DO ESTADO DA BAHIA

Vacina Bahia

Acompanhe aqui os dados de imunização, últimas notícias e tire suas dúvidas sobre o Plano de Vacinação Contra o Coronavírus na Bahia.

Falta de vacinas para 2ª dose

Clique no botão e tire suas dúvidas

VACINÔMETRO BAHIA

Vídeos

Perguntas e Respostas

Vacinas contra a covid-19 e o Plano de Vacinação na Bahia

1) Plano de imunização (Quantas doses cada município vai receber? Quais grupos serão vacinados prioritariamente?)

Para saber mais informações sobre a vacinação em cada município, é necessário entrar em contato com a Prefeitura ou com a Secretaria Municipal de Saúde. O plano de vacinação prevê 4 fases:

  • Fase 1: trabalhadores da área de saúde, idosos com mais de 75 anos, brasileiros acima de 60 anos que vivem em instituições de longa permanência, indígenas e comunidades tradicionais.
  • Fase 2: idosos de 60 a 74 anos em qualquer situação.
  • Fase 3: indivíduos com condições de saúde que estão relacionadas a casos mais graves de Covid-19.
  • Fase 4: professores, profissionais das forças de segurança e salvamento, funcionários do sistema prisional e a população privada de liberdade.

2) Com a vacinação, já tem previsão de retorno das aulas presenciais?

O governador Rui Costa reiterou o desejo de anunciar a volta às aulas, mas ponderou que ainda não é o momento. “Eu tenho duas filhas em idade escolar e tenho total consciência dos efeitos colaterais danosos à educação e à sociabilidade de nossa juventude o fato de não estar tendo aulas. Meu desejo é que possamos retornar o mais rápido possível, mas precisamos aguardar o momento correto. Desde novembro temos vivido um aumento no número de casos e de óbitos na Bahia. Para pensarmos numa data de retorno gradativo, precisamos ter esses números sob controle e num processo de queda. Estaríamos colocando a vida de nossas crianças, pais e avós em risco”.

3) Por que a Bahia insiste tanto na vacina russa e não compra outras?

Porque as outras vacinas existentes não estão disponíveis para compra.

4) Vacina feita “muito rápido” faz mal e não tem eficácia comprovada.

As vacinas são, sem dúvida alguma, o instrumento mais eficaz para combater a pandemia. No mundo inteiro já existem vacinas que mostraram resultados de eficácia, a exemplo dos imunizantes já distribuídos para os municípios baianos.

5) Laboratórios ‘não querem se responsabilizar’ em caso de efeito colateral.

Qualquer medicamento pode ter efeitos adversos. O indicado é: se você apresentar algum evento adverso que precise de um atendimento urgente, deverá procurar um serviço de saúde de emergência, a exemplo de um pronto-socorro, UPA, AMA, etc. Esses são locais especializados para atendê-lo e medicá-lo se for necessário.

6) Falta de transparência nos testes.

A situação do cenário epidemiológico no estado da Bahia pode ser acompanhada, diariamente, através dos boletins. Nesses documentos é possível verificar todas as informações da pandemia, inclusive os números de confirmados de acordo com os testes realizados. Os boletins podem ser acessados em: saude.ba.gov.br/boletins-diarios-covid-19/

7) Por que não começou essa terceira fase anteriormente? Qual sentido a Anvisa “pular” seus critérios para a aprovação dessa vacina sabendo que as vacinas do Butantan e Fiocruz seguiram o processo.

A Sputnik V foi testada em 44 mil pessoas no mundo. A exigência da Anvisa é que apenas seja liberada após 5.000 pessoas serem testadas no Brasil, ignorando quem já foi testado em outros países.

8) E os idosos que moram em cidades que não tem asilos? Quando serão vacinados?

Os idosos com idade a partir de 75 anos fazem parte do primeiro grupo prioritário de vacinação e serão vacinados assim que houver doses suficientes.

9) E os profissionais de saúde que não trabalham na linha de frente da covid-19? Trabalho numa maternidade, mas com grupo de risco.

Estes primeiros lotes de vacinas têm como grupos prioritários trabalhadores de saúde; pessoas idosas residentes em instituições de longa permanência/asilos; e indígenas aldeados. A imunização dos demais grupos que compõem a 1ª fase de vacinação, assim como das fases seguintes, ocorrerá à medida que novos lotes de vacina forem encaminhados pelo Ministério da Saúde.

10) E os professores, qual a previsão de começar a vacinação?

A vacinação dos professores está prevista na quarta fase do plano de vacinação.

11) É verdade que menor de idade não pode tomar a vacina, por quê? Ela não é segura?

No momento, a segurança e a eficácia da vacina em gestantes, lactantes e menores de 18 anos ainda não foi avaliada, pois não há estudos controlados. Neste caso, recomendamos que você fale com seu médico assistente sobre os potenciais riscos e benefícios da vacinação.

12) Crianças serão vacinadas em algum momento no plano de vacinação?

No momento, a segurança e a eficácia da vacina em gestantes, lactantes e menores de 18 anos ainda não foi avaliada, pois não há estudos controlados.

13) Qual o direcionamento para os idosos que vivem em comunidade-terreiro?

Os idosos a partir de 75 anos fazem parte da primeira fase do plano de vacinação e os que tiverem mais de 60 anos da segunda fase.

14) Quem está gripado ou é asmático pode tomar a vacina?

Orienta-se que pessoas com sintomas de Covid-19 aguardem a melhora para receber a vacina. No caso de asmáticos, estão incluídos nos grupos prioritários (fase 3 – pessoas com comorbidades). Recomendamos que o médico assistente seja consultado.

15) Quem é alérgico a ovo pode ser vacinado?

Recomendamos que fale com o médico assistente sobre possíveis riscos relacionados a alergias.

16) Em caso de alergia, onde buscar atendimento?

Se você apresentar algum evento adverso que precise de um atendimento urgente você deverá procurar um serviço de saúde de emergência, a exemplo de um pronto-socorro, UPA, AMA, etc. Esses são locais especializados para atendê-lo e medicá-lo se for necessário.

17) Quem teve Covid-19 precisa tomar a vacina ou já está imunizado?

Quem já teve Covid-19 também precisa tomar vacina. A defesa que a vacina provoca é de maior potência e de qualidade diferente da gerada por uma infecção natural.

18) Tem algum “vacinômetro” para acompanhar os dados de vacinação na Bahia?

Acesse https://bi.saude.ba.gov.br/vacinacao/ e acompanhe diariamente os dados atualizados sobre a cobertura vacinal em todo o estado.

19) A vacina CoronaVac é mais perigosa que a Covid-19?

Para produzir a vacina, o vírus é inativado, ou seja, substâncias químicas são adicionadas para que o vírus não seja capaz de causar doença, ficando “morto”. Depois é acrescentado o hidróxido de alumínio, que é uma substância já bem conhecida como adjuvante para que a vacina induza proteção (anticorpos) nas pessoas vacinadas.

20) Assim que tomar a vacina, posso tirar a máscara e ir pra rua?

Não. Todas as medidas de prevenção precisam continuar sendo seguidas.

21) A vacina altera o DNA, causa autismo ou vem contaminada com o vírus do HIV.

A vacina NÃO altera o material genético das pessoas. Elas permitem que se crie imunidade de forma controlada e segura. O imunobiológico interage com o organismo para gerar a resposta semelhante àquela produzida pela infecção natural, mas fazem isso sem causar a doença ou colocar a pessoa imunizada em risco.

22) As vacinas são recomendadas para pessoas que fazem terapias imunossupressoras?

No momento, a vacina contra a Covid-19 não é indicada para pessoas que fazem terapias imunossupressoras. No entanto, já existem estudos para garantir a eficácia e incluir este público. Recomendamos que o médico assistente seja consultado.

23) Posso tomar a primeira e a segunda dose de vacinas diferentes?

Não. É recomendado tomar a mesma vacina nas duas doses, pois cada laboratório desenvolveu uma técnica diferente de imunização.

Falta de vacinas contra a Covid-19

Atualizado em 29/04/21

1) Por que estão faltando vacinas para a segunda dose?

De acordo com o Ministério da Saúde, os fabricantes não estão conseguindo entregar as vacinas conforme contrato estabelecido, sobretudo, por dificuldades na importação do IFA (Insumo Farmacêutico Ativo), que é a base da produção da vacina. Deste modo, o cronograma de entregas previsto pelo Ministério da Saúde não está sendo cumprido, ocasionando o desabastecimento da segunda dose na maioria dos municípios baianos.

Cabe esclarecer que 60% das segundas doses a serem aplicadas a partir de 1º de maio já foram enviadas aos municípios. Os 40% restantes aguardam envio do Ministério da Saúde. Vale ressaltar que neste período foram identificados frascos que embora indicassem conter 10 doses, apresentavam nove e em alguns casos oito doses.

2) O Governo do Estado e as prefeituras não deveriam provisionar 50% do que fosse entregue pelo Ministério da Saúde a fim de garantir as duas doses?

Até a sétima entrega realizada pelo Ministério da Saúde, o Estado provisionava 50% do carregamento a fim de garantir a imunização completa com a segunda dose. Entretanto, por determinação do Ministério da Saúde, as remessas posteriores foram integralmente distribuídas sem que existisse a retenção habitual. Na prática, isso significa que o Ministério da Saúde tem a obrigação de garantir a segunda dose em tempo hábil, sob risco de reduzir o efeito da primeira dose.

3) Qual a implicação disso?

Pode acontecer uma menor proteção em virtude da aplicação de apenas uma dose.

4) Se eu não tomar a segunda dose dentro do prazo estabelecido, perco a primeira dose?

Não há evidências de que se perca o efeito protetor. O que pode acontecer é uma menor proteção em virtude da aplicação de apenas uma dose. E assim que possível, deve-se completar o esquema vacinal com a segunda dose.

5) Terei que tomar uma terceira dose?

Não. Similar ao que ocorre com a vacina contra a gripe, o Programa Nacional de Imunização (PNI) deve incluir a vacina contra o coronavírus no calendário vacinal permanente, sendo necessário o reforço da imunização anualmente.

6) Quantos dias pode atrasar?

O fabricante da Coronavac, que é o Instituto Butantan, determina que o prazo máximo entre as duas doses seja de 28 dias. No entanto, o Ministério da Saúde tem sinalizado que este prazo deve ser ampliado para 40 dias, sem que haja redução da eficácia..