30/06/2020 - 13:09

Cedeba adota modelo de teleatendimento e mantém atendimentos presenciais agendados

O Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia (Cedeba) mantém o atendimento durante a pandemia. Para os pacientes que não necessitam de atendimento presencial, a unidade oferece o teleatendimento pelo telefone (71) 98608-4142, pelo whatsapp, inclusive com chamada de vídeo, e também pelo e-mail cedeba.ficaemcasa@gmail.com. Quem precisar de atendimento presencial, pode ser atendido em regime de hora marcada. Todas as especialidades estão operando por esses canais, como aplicação de medicamentos de alto custo, cardiologia, nefrologia, oftalmologia, entre outras.

A endocrinologista do Cedeba, Flávia Resedá, informa que a unidade, durante a pandemia, permaneceu prioritariamente com o teleatendimento em todas as especialidades oferecidas. “Nós ligamos para os pacientes conforme a assistência que já estava feita e oferecemos o atendimento por telefone, e-mail ou Whatsapp. Quando há a necessidade do paciente vir à unidade, com feridas identificadas por fotos, por exemplo, agenda-se a visita à unidade”. Segundo ela, como os pacientes são de risco, por causa das comorbidades que podem agravar um quadro de Covid-19, não se pode permitir que eles compareçam em regime normal.

Gilvana de Jesus Santos tem 25 anos, sofre de acromegalia, uma doença crônica que causa excesso de crescimento, precisa de consultas regulares e foi atendida pela endocrinologista Flávia Resedá, através de uma vídeochamada pelo Whatsapp, nesta terça-feira (30). “Em um momento tão difícil, quando não podemos estar no Cedeba presencialmente, ter o auxílio de profissionais atenciosos, capazes de nos articular à distância é muito bom. Nós temos essa doença e os profissionais do Cedeba nos direcionam na questão da dor, do medicamento”.


Movimento nas UPAs

Para Flávia Resedá, o atendimento do Cedeba ajuda inclusive a reduzir o número de pessoas que buscam as unidades de pronto atendimento. “Nós somos um centro de diabetes e endocrinologia, mas também temos cardiologistas, oftalmologia, nefrologia, angiologia, e evitamos que diversos pacientes fossem a uma UPA, sobrecarregar o sistema de emergência. Essas pessoas são atendidas aqui, em um fluxo pactuado com a Sesab para unidades hospitalares onde são feitos os procedimentos. Mas é importante deixar claro que isso é feito para os pacientes que já são cadastrados e atendidos no  Cedeba, que não é uma unidade de portas abertas”.


Farmácia e laboratório
 

O coordenador da farmácia e do laboratório do Cedeba, Sandro Monteiro, explicou que, para que os medicamentos sejam entregues e os exames realizados, estão sendo obedecidos todos os protocolos  estabelecidos nos decretos estaduais de restrição e limitação de circulação e aglomeração. “Os pacientes assistidos no Cedeba têm comorbidades, como diabetes, obesidade e endocrinopatias, e esses pacientes precisam estar compensados em suas patologias de base para que não tenham agravamento caso se contaminem com a Covid-19”. Segundo ele, a entrega de medicamentos é essencial para a continuidade dos tratamentos. “Para isso, os atendimentos estão obedecendo protocolos de triagem e agendamento, evitando aglomerações na unidade”.
 
 
Repórter: Raul Rodrigues