Guarda Alta Contra o Câncer
Foto: Elói Corrêa/GOVBA

Uma manhã diferente para estudantes e praticantes de boxe que foram até a Arena Fonte Nova, em Salvador, para participar do evento Guarda Alta Contra o Câncer, realizado neste sábado (23), pelas secretarias estaduais da Saúde (Sesab), da Educação (SEC), do Turismo (Setur) e de Comunicação Social (Secom). Na programação, música, palestras de conscientização sobre o câncer de mama e aulas de boxe com atletas do segmento atraíram um público diverso, formado por pessoas de todas as idades. O evento gratuito, em alusão ao Outubro Rosa, foi transmitido ao vivo pelo canal do Governo da Bahia no Youtube.

“A atividade física é um fator de redução de risco para todo tipo de câncer e aqui, especificamente, para o câncer de mama. A gente sabe que não há prevenção, mas a gente se apega à detecção precoce na esperança de mais de 91% de chance de cura, e é essa união de todos que faz toda diferença”, afirmou a diretora de Programação e Desenvolvimento da Gestão Regional da Sesab, Jucelia Nascimento, representando a secretária Tereza Paim.

Guarda Alta Contra o Câncer
Foto: Elói Corrêa/GOVBA

As aulas foram ministradas pelo ex-pugilista Jaislon Santos, com a participação da também pugilista Adriana Pitbull, primeira atleta brasileira a conquistar uma medalha no boxe feminino, e da jogadora de futebol do Esporte Clube Bahia Aila Santana. “É muito importante a gente estar presente porque podemos levar mais informação através dessa visibilidade que o esporte tem”, dissse Aila.

Estudantes da Escola Polivalente do município de Santo Estevão participaram do evento e aprovaram a iniciativa. “É muito importante para nós que somos jovens saber da importância do Outubro Rosa”, destacou Manoel Nascimento Neto, 16 anos, aluno do 1º ano do Ensino Médio. “Achei super interessante. Isso é bom que a gente passa para outras pessoas também”, acrescentou Alice Fernandes, 16, aluna do 3º ano do Ensino Médio.

Guarda Alta Contra o Câncer
Foto: Elói Corrêa/GOVBA

Câncer de mama

A doença é o tipo de câncer mais incidente em mulheres no mundo e também o de maior mortalidade. No Brasil, em 2019, foram 18.295 mortes. O Instituto Nacional do Câncer (INCA) estima que, em 2021, ocorrerão 66.280 casos novos da doença, o que equivale a uma incidência de 43,74 casos por 100 mil mulheres.

Repórter: Lina Magalí