As ações implantadas em comunidades rurais pelo projeto do Governo do Estado, Bahia Produtiva, vão passar a estimar a emissão de gases de efeito estufa, a partir de uma ferramenta desenvolvida pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).  

A ferramenta denominada Ex-ACT (Ex-Ante Carbon-balance Tool) é um sistema de avaliação que fornece estimativas do impacto dessas ações sobre o balanço de carbono. O objetivo é avaliar o efeito dos investimentos no ambiente e aplicar um plano de recuperação para entender como o manejo sustentável pode preservar os bens naturais. 

Estão em execução quatro projetos-piloto no Semiárido baiano, onde o Bahia Produtiva investe em ações de inclusão produtiva de sistemas integrados sustentáveis, como sistemas agroflorestais,sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), viveiros e outras tecnologias sociais, beneficiando 255 famílias, com investimentos da ordem de R$1.8 milhão.  

A ferramenta para estimar cenários de emissões de gases de efeito estufa está sendo aplicada na Associação de Quilombolas do Juazeiro dos Capotes, em Jeremoabo, na Associação dos Pequenos Produtores da Capoeira, em Cansanção, Fundação APAEB, em Valente, e na Cooperativa Ser do Sertão, em Pintadas.  

O coordenador de Ater do Bahia Produtiva, Wecslei de Angeli Ferraz, explica que o objetivo é aplicar a ferramenta para fazer uma recuperação dessas áreas: “Será feita uma avaliação da emissão e do sequestro de carbono durante a fase de implantação e de capitalização dos sistemas, para que, em um futuro próximo do Bahia Produtiva, a gente possa tomar decisões acertadas no que diz respeito à preservação dos recursos naturais, com as características desejáveis de equilíbrio do balanço de carbono”.  

Pelo projeto, foram contratados consultores ambientais para realizar diagnósticos, a partir da produção de Mapas de Cobertura Florestal, Uso e ocupação do solo, além de realização do Cadastro Estadual Florestal de Imóveis Rurais (CEFIR). A partir daí, será feito um levantamento das características do ambiente para aplicação da ferramenta Ex-ACT.  

O relatório anual do Observatório do Clima indica aumento de 9,6% em 2019, em relação a 2018. As mudanças no uso da terra e agropecuária correspondem a 72% dos gases de efeito estufa emitidos no país. Esse tipo de gás causa mudanças climáticas e impactos severos, que podem perdurar por décadas com consequências à segurança alimentar, além de prejudicar as colheitas e a pesca e extinção de espécies e danos a diversos ecossistemas. 

Fonte: Ascom/ SDR