As dez entidades que integram a Equipe Gestora Estadual do Programa Nacional de Vigilância para a Febre Aftosa na Bahia se reuniram para analisar os resultados comparativos das últimas etapas de vacinação, a conclusão da auditoria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), promovendo também uma maior interação entre os segmentos envolvidos: produtores, associações rurais, sindicatos, conselhos e instituições.

O evento serviu ainda para novos direcionamentos sobre evolução e conclusão das ações previstas no Plano Estratégico da Febre Aftosa 2017-2026, executado pela Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), vinculada à Secretaria de Agricultura e Pecuária do Estado (Seagri).

Segundo o coordenador do Programa Nacional de Vigilância para a Febre Aftosa na Bahia, José Neder Moreira Alves, a reunião foi produtiva especialmente porque atende ao maior objetivo, ou seja, a transparência pública das ações realizadas para manter a Bahia livre da enfermidade, doença erradicada por aqui em 2001.

“Prestação de contas à população de tudo que é realizado, é essencial. Muitas ações importantes estão sendo desenvolvidas, como o Fórum, realizado no final de abril e capitaneado pela Federação da Agricultura e Pecuária da Bahia (FAEB), em parceria com a ADAB, direcionado para o setor produtivo, além do curso de capacitação e vigilância em saúde animal que realizamos junto com o SENAR, com programação até o mês de dezembro, levando informação atualizada para o produtor, conscientizando a categoria sobre seu papel e sua corresponsabilidade para o salto da Bahia, que almeja em 2023, conquistar o status de Zona Livre sem Vacinação de Febre Aftosa”, avaliou José Neder.

Fonte: Ascom/Adab