Produção de leite em Alcobaça
Foto: SDR

O litro de leite ganhou mais qualidade e valor na Associação Comunitária dos Pequenos Produtores Rurais de Itaitinga, do município de Alcobaça, no Extremo Sul da Bahia. Antes, o produto era vendido a R$ 0,97 centavos e, agora, está sendo comercializado por R$ 1,20. A valorização do leite na comunidade foi possível graças ao investimento do Governo do Estado, por meio do projeto Bahia Produtiva, no valor de R$ 520,5 mil, beneficiando diretamente 31 famílias.

Com os recursos foram adquiridos dois tanques com capacidade de 2 mil litros cada um, para resfriamento do leite, 10 ordenhadeiras mecânicas e equipamentos para ordenha e higienização dos tanques. Também foram instalados dois minilaboratórios, para fazer um teste rápido e verificar se a vaca tem doença, a exemplo de mastite. A associação ainda receberá este ano um trator com implementos agrícolas, que ajudará na preparação do solo para o plantio de nova pastagem e de cana-de-açúcar, napier e mandioca para preparo de ração.

O assistente territorial do Bahia Produtiva no Extremo Sul, Paulo Nieres, que presta assistência à comunidade, explica que na hora da ordenha o agricultor faz o teste de mastite. “Se der positivo, ele não pode ordenhar a vaca e, assim, o leite que vai ser vendido não é contaminado, evitando-se gerar doenças nos usuários. E também serve para seleção do leite recolhido nas fazendas. O processo é rápido, prático e indicado para realização antes da coleta do leite, mostrando sua acidez e, assim, indicando se o leite deve ou não ser utilizado. É uma análise qualitativa, que diz a qualidade do leite em questão”.

As famílias vinculadas à associação já colhem os frutos desse apoio ao sistema produtivo da bovinocultura de leite da região. Além de poder vender o leite a um melhor preço, a produção também registrou aumento, com apenas um mês da chegada dos equipamentos. Em janeiro, a produção média, por beneficiário, foi de 80 litros por dia. Hoje, passou para 120 litros por dia.

De acordo com o assistente técnico em bovinocultura de leite do Bahia Produtiva, José Antônio de Araújo, a expectativa é que eles possam dobrar a produção neste ano. “Agora estão estruturados com ordenhadeiras, tanques de resfriamento e produção de forragens para alimentar o rebanho no período de seca, o kit de laboratório permite o controle de qualidade do leite, tudo o que precisam pra trabalhar melhor e produzir mais”.

O agricultor Sebastião Cardoso conta que antes o trabalho era árduo. “A gente tirava o leite na mão. Entrava no curral às 5h e saía às 9h. Hoje, a gente entra às 7h e antes de 8h30 já terminamos o trabalho. Com a ordenhadeira, o leite ficou mais limpo e puro, pois da teta da vaca já vai direto pro balde e isso também melhora o valor do nosso produto. Com esse apoio do Governo do Estado, ganhamos tempo, produtividade e qualidade”.

Para o agricultor Celio Silvio Santos, o projeto chegou para melhorar a condição e qualidade do leite e agregar valor. “É um apoio para aumentar a produção e melhorar a qualidade das vacas. A ordenhadeira melhorou muito nosso trabalho, trouxe mais higiene, e com os resfriadores podemos manter o nosso leite no local adequado, isso traz mais valor ao nosso produto. Esses investimentos na zona rural incentivam, para que a gente permaneça no campo, com melhores condições”.

O Bahia Produtiva é um projeto da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), cofinanciado pelo Banco Mundial. Por meio do projeto, o governo estadual está investindo R$ 54,3 milhões para o desenvolvimento do sistema produtivo da bovinocultura em toda a Bahia, beneficiando diretamente 2.913 famílias de agricultores familiares, visando aumentar a integração do mercado, a receita líquida e a segurança alimentar dos beneficiários.

Fonte: Ascom/SDR/CAR