Guia de atenção psicossocial
Foto: Divulgação

A Secretaria da Educação do Estado (SEC) realizou, nesta quinta-feira (4), uma live para apresentar e disponibilizar o livreto “Rede de Atenção Psicossocial”. O material tem o intuito de esclarecer, facilitar e instrumentalizar professores, estudantes e comunidade escolar, na busca de assistência e serviços, junto aos órgãos e instituições que fazem parte da rede de apoio de atenção psicossocial, sediados nos 27 Núcleos Territoriais de Educação (NTE).

A publicação, elaborada pelos psicólogos que atuam no Programa de Atenção à Saúde e Valorização do Professor, está disponível de forma gratuita no Portal da Educação.

A live, realizada no canal oficial da secretaria no Youtube, contou com a participação do subsecretário estadual da Educação, Danilo Souza; da superintendente de Recursos Humanos da SEC, Rosário Muricy; da coordenadora do Programa Saúde do Professor, Elisabete Dias e da psicóloga Michele Stolze, que fez uma palestra sobre o tema “Ressignificando sua saúde mental através do corpo: movimentos de cura”.

De acordo com o subsecretário Danilo de Melo, que representou o secretário Jerônimo Rodrigues, o setor da Educação tem especificidades que precisam estar em constante diálogo com o campo da Saúde. “Em um momento marcado pela tensão de uma pandemia, é fundamental termos o suporte dos campos da Saúde, Assistência Social e Psicologia, focadas nas nossas habilidades socioemocionais. Hoje, realizamos um lançamento que busca a possibilidade de contribuirmos para superar esse quadro tenso de dificuldades e perdas. Destaco a importância do Programa Saúde do Professor e da publicação, porque educação também é empatia e cuidado com o outro”.

A psicóloga Michele Stolze falou sobre a importância do tempo para a auto-observação e trabalhou na live com exercícios de respiração e emissão de frequências sonoras para promover o relaxamento. De acordo com Stolze, muitas vezes, o corpo humano quer dizer algo com a expressão de sintomas físicos.

“Às vezes, sentimos dor de cabeça, musculatura travada, angústia, estresse e excesso de tensão. Precisamos observar o que está por trás desses sintomas. Para isso, podemos fazer exercícios regulares e específicos para lidar melhor com as nossas questões internas e trabalhar com as nossas consciência e emoções, para promovermos o autocuidado e o processo de cura, com o intuito de que os sintomas não evoluam para alguma patologia”, disse a psicóloga.

Fonte: Ascom/Secretaria da Educação