Após a publicação de um estudo feito pela revista científica The Lancet, uma das mais prestigiadas do mundo na área médica, comprovando eficácia de 91,6% da vacina russa Sputinik V contra o coronavírus, o secretário de saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, espera que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) reveja o posicionamento sobre o imunizante e agilize a liberação do uso emergencial no Brasil.

De acordo com ele, a questão agora entra no mérito da moral e da ética em pesquisa, já que a Anvisa está exigindo que seja realizado um estudo de fase 3 da vacina no Brasil e, para que isso seja feito, voluntários teriam que receber doses de placebo, sem nenhum efeito, e aguardar um período para serem analisados, enquanto já existem vacinas disponíveis para aplicação.