As ações tomadas pelo Governo da Bahia para garantir que não faltem insumos nem leitos, principalmente de UTI, para o tratamento de pacientes com a covid-19, não devem ser encaradas como uma sinalização para que os cuidados contra a doença sejam flexibilizados. O alerta é do secretário estadual da saúde, Fábio Vilas-Boas.

O secretário traça um panorama da atual situação da pandemia nas diferentes regiões do estado e afirma que “é preciso manter todo o esforço para evitar que as pessoas precisem ser internadas em UTI’s”. Vilas-Boas também ressalta que “40% das pessoas que vão para a UTI acabam morrendo” e reforça que, por isso, “o bom é a gente evitar a infecção”.