O edital Centelha Bahia, que em 2020 contemplou 27 ideias inovadoras para o avanço do Estado, acaba de alcançar mais uma etapa para a confirmar a segunda edição. A Bahia, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapesb), conseguiu captar recursos de cerca de R$ 2,2 milhões, através do Programa Nacional de Apoio à Geração de Empreendimentos Inovadores, da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). A previsão é que o edital seja lançado em março de 2021, após os trâmites das próximas etapas de seleção.

O diretor da Fapesb, Márcio Costa, explica como está o andamento do processo. “Após enviarmos nossa proposta para a Finep, nosso projeto foi aprovado e agora iremos para a fase de oficialização de contrato, que consiste em entregar a documentação, a assinatura e depósito por conta da Finep e da contrapartida. Após esses processos administrativos iremos lançar o edital”, explica.

Márcio ainda relembra o sucesso da primeira edição. “O centelha I concedeu R$ 1,6 milhão para os 27 contemplados, provenientes dos municípios de Salvador, Ilhéus, Feira de Santana, Paulo Afonso, Guanambi e Itajuípe. Além disso, fomos líder em número de ideias no Nordeste inteiro, o que demonstra como nosso povo tem potencial para a inovação e precisamos investir nisso”.

De acordo com a secretária de Ciência, Tecnologia e Inovação, Adélia Pinheiro, o programa Centelha não está voltado somente para pesquisadores experientes, mas visa atender a população em geral que possui uma ideia inovadora e não consegue transformá-la em negócio.

“O Centelha visa estimular, orientar e promover a formação de empreendedores e a geração de empresas inovadoras e de alto crescimento. Dessa forma, o programa tem importância fundamental para o estado da Bahia no sentido não só de mover a economia, mas criar oportunidades para que pessoas que antes não tinham este acesso, possam receber financiamento e acompanhamento para desenvolver seu próprio negócio”, completa Adélia Pinheiro.

O Programa Centelha é resultado de uma ação cooperada de parceiros do Ecossistema de Inovação. Na Bahia, a execução do projeto é da Fapesb, que é vinculada à Secti, enquanto no âmbito federal fica por conta da Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep) e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTIC). São também apoiadores o Conselho das Fundações de Amparo (Confap), o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ) e a Fundação CERTI.

Fonte: Ascom/Secti