A Escola Estadual Severino Vieira, localizado na Avenida Joana Angélica, em Salvador, iniciou, nesta segunda-feira (5), o projeto “Emancipação social através das leituras diversificadas”. A proposta é estimular o hábito de leitura dos estudantes, neste período de isolamento social, para contribuir com o processo de aprendizagem e manter o vínculo com a escola.

É por meio de grupos de WhatsApp que o projeto se efetua, com o encaminhamento das sugestões de leituras, e por onde os professores interagem e tiram dúvidas. A proposta é, a partir de livros sonoros, conteúdos visuais, cartuns e animações, promover a reflexão sobre temas ligados, por exemplo, às culturas indígena e africana e aos direitos humanos, utilizando diferentes gêneros literários. “O Pequeno Príncipe” e “O Menino do Dedo Verde” serão as primeiras obras a serem utilizadas neste projeto pelos estudantes do 6° ao 9° ano.

A estudante Bruna Braga, 15 anos, já está envolvida na ação pedagógica e disse que o contato com as histórias traz elementos transformadores. “Estou no 9° ano e vejo no livro um ponto para incentivar a criatividade e o conhecimento. Com os projetos, encontramos nas obras trabalhadas soluções para os nossos problemas e uma ajuda para entender melhor a vida. Já li várias categorias e aprendi bastante com cada uma. Na leitura, encontrei um esconderijo para a tranquilidade e os sonhos. Sempre que posso, estou lendo”.

A professora de Língua Portuguesa, Eleonor Correia, coordena um projeto de leitura há dois anos na unidade escolar. Ela disse que o objetivo da iniciativa vai se cumprindo a partir de depoimentos como os de Bruna. “Vamos usar obras que trabalham com o encantamento, os sonhos, as emoções e é fantástico ver os professores relendo obras ligadas à infância e a reação mágica nos alunos”, afirmou.

A diretora da unidade escolar, Ana Paula Neves, falou sobre a importância da iniciativa, mesmo não contando como atividade letiva em função da suspensão das aulas, neste período de pandemia. “Temos como objetivo central fomentar a leitura, interpretação e produção textual através da interdisciplinaridade e a arte é um importante elemento para alinhar tudo isto. Este ano está sendo desafiador para o sistema educacional, precisamos investir em alternativas eficazes para garantir que os nossos alunos continuem a ter interesse pela leitura e saibam desenvolver o senso crítico e a interpretação como um todo, por meio de textos, livros e do seu próprio cotidiano”, analisou, ao destacar que a Escola Estadual Severino Vieira tem 72 anos de fundação e já foi ambiente de aprendizado para artistas consagrados, como Caetano Veloso, Maria Bethânia e Carlinhos Brown, e de personalidades baianas, como o jornalista Samuel Celestino.

Fonte: Ascom/Secretaria da Educação do Estado