Dia Mundiaal da Alimentação
Foto: Divulgação

Para celebrar o Dia Mundial da Alimentação, instituído pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e comemorado em 16 de outubro, o Governo do Estado, por meio do projeto Bahia Produtiva, lançou a Plataforma SAN Bahia Produtiva, para dar visibilidade às iniciativas que promovem a garantia da segurança alimentar e nutricional de agricultores e agricultoras da Bahia.

Na plataforma, disponível no site da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), é possível ter acesso a conteúdos didáticos em variados formatos, market place com produtos da agricultura familiar e espaço para receber assessoria técnica por organizações que atuam com a temática.

A iniciativa é do Bahia Produtiva, projeto da CAR, empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), com cofinanciamento do Banco Mundial. A realização da Plataforma SAN conta com a parceria com a VP-Centro de Nutrição Funcional

O secretário da SDR, Josias Gomes, afirmou que essa ferramenta será de uso fundamental para a difusão das produções da agricultura familiar. “Hoje, estamos tomando a iniciativa de dizer que a agricultura familiar, que antes não tinha esse protagonismo, está trazendo debate como esses temas que aqui estamos reproduzindo. Temos obrigação de continuar promovendo essas ações e celebrar, neste dia, com essa plataforma, o trabalho que estamos fazendo, desde 2003, no estado”.

O diretor-presidente da CAR, Wilson Dias, destacou que a plataforma vai ajudar a aprimorar e qualificar um trabalho que já vem sendo feito. “Vai ajudar o trabalho na ponta com os agricultores, para que a gente melhore nossas ações com esse tema e que a gente continue crescendo e avançando nessas perspectivas de gerar condições para que nossa população tenha acesso a um alimento de qualidade, permanente, de forma adequada, e, assim, a gente possa fazer esse grande atendimento para nossa população”.

Segurança alimentar

A diretora da VP Centro de Nutrição Funcional, Valéria Pascoal, explicou que maioria dos agricultores não tinha a noção da importância da sua própria produção para a segurança alimentar e nutricional.

“Os agricultores vendiam mas não comiam o que produziam e faziam a troca desse dinheiro por produtos alimentícios e não por comida de verdade. Estamos resgatando a cultura alimentar, do prazer de comer um alimento que você produz e prepara, de uma receita de família. É preciso conhecer mais os alimentos da biodiversidade da Bahia. A plataforma surge de um trabalho iniciado com os agricultores baianos e a necessidade de um espaço para que essas experiências sejam compartilhadas. Nunca conheci em nenhuma parte do mundo um projeto dessa dimensão”, afirmou Valéria Pascoal.

Fonte: Ascom/SDR