O ano de 2020, com todas as consequências da pandemia da Covid-19, deixou mais perceptível a importância das artes e o seu papel fundamental para a promoção do bem-estar e para gerar reflexão sobre temas presentes na nossa sociedade. Ao mesmo tempo, de modo paradoxal, este tem sido um ano bastante adverso para as expressões artísticas, especialmente as que convocam apresentações ao vivo, como o teatro, a dança e a música. Neste contexto, reinventar-se é uma urgência e explorando novas possibilidades criativas de conteúdos, a Orquestra Sinfônica da Bahia (Osba) e o Balé Teatro Castro Alves (BTCA), ambos corpos artísticos do Teatro Castro Alves (TCA), se uniram para a realização de seis espetáculos entre outubro e dezembro, que além de destacar a música e a dança, refletem e evocam sentimentos individuais e coletivos sobre o período atual. Antes de cada espetáculo, o BTCA ainda apresenta pílulas cênicas na abertura do programa de cada dia, performances independentes que exploram os espaços inusitados do Complexo do TCA. Todos os espetáculos têm direção musical de Carlos Prazeres, diretor artístico e regente titular da Osba e direção geral de Wanderley Meira, diretor artístico do BTCA, a partir de criações dos bailarinos do BTCA.

Na sexta-feira (2), às 20h, na Sala do Coro do Teatro Castro Alves, Osba e BTCA apresentam “Entre a minha mão e a sua há mais que um abraço”, com transmissão ao vivo na TVE Bahia e no canal do TCA no YouTube. O espetáculo, que parte de reflexões acerca dos valores humanos e propósitos de vida provocadas pelo isolamento social, é formado pelos músicos da Osba Eduardo Torres (piano) e Mário Soares (violino), com criação e interpretação de Jai Bispo e Luiza Meireles, do BTCA. A pílula deste dia vai explorar a explanada do TCA, que conecta o prédio principal a Concha Acústica e tem criação e interpretação de Douglas Amaral e Lila Martins.

Além do formato dessas criações terem sido adaptadas ao nosso atual contexto, dentro de uma série de protocolos de segurança para o retorno da Osba e BTCA aos palcos do Teatro Castro Alves, o tema das obras também trazem à tona o momento em que vivemos.  “Entre a minha mão e a sua há mais que um abraço” parte de reflexões sobre valores e propósitos da vida diante das incertezas no futuro e de acontecimentos deste ano, que incluem o Pantanal em Chamas, o aumento da desigualdade social e o genocídio da população negra. No esforço de se fortalecer e se manter altivo diante deste contexto conturbado, o espetáculo propõe uma valorização  das subjetividades e da ancestralidade.
Parceria Osba e BTCA
O Complexo Teatro Castro Alves é o principal equipamento cultural da Bahia, mantido pelo Governo do Estado através de sua Secretaria de Cultura (Secult) e Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb). O TCA mantém dois corpos artísticos, a Orquestra Sinfônica da Bahia e o Balé Teatro Castro Alves, que têm se mantido atuantes e produtivos com conteúdos digitais durante todo este período de isolamento social. A OSBA e o BTCA têm buscado conectar-se para promover anualmente espetáculos em conjunto. Em 2020, buscando maneiras de continuar oferecendo ao público criações que destacam dança e música, a Osba e o BTCA se unem novamente para criar e apresentar uma série de espetáculos virtuais que integram a programação do projeto  “Voltando aos Palcos”. O primeiro espetáculo nasceu na criação do vídeo-espetáculo “Um concerto para o guarda-roupa”, realizado, em agosto, pelo Teatro Castro Alves para homenagear artistas, profissionais e públicos das artes. Em outubro os espetáculos são “Entre a minha mão e a sua há mais que um abraço” (02/10), “Cria” (06/10) e “ Pés a Pés” (30/10).
Em novembro, no dia 13/11 será apresentado diSfaRCes”, com os músicos da OSBA Francisco Roa (violino) e Serghei Iurcik ( viola), com os bailarinos do BTCA Douglas Amaral, Joely Pereira e Mirela França, e criação de Fátima Berenguer.  Já no dia 27/11, acontece o espetáculo “Atravessa o mar”, com o violoncelista da OSBA Thomaz Rodrigues, criação de Dina Tourinho, assistência de coreografia de Rosa Barreto e os bailarinos Cristian Rebouças, Dayana Brito, Fátima Berenguer, Fernanda Santana, Rosa Barreto e Ruan Wills. Em dezembro, encerrando esta temporada de espetáculos da OSBA e BTCA, no dia 11/12 tem “Umbigo”,  com a spalla da OSBA Priscila Rato, os bailarinos do BTCA Cristian Rebouças, Joely Pereira, Maria Ângela Tochilovsky, Mônica Nascimento, Lila Martins e Rosa Barreto; e criação de Wanderley Meira e Rosa Barreto.

A Orquestra Sinfônica da Bahia (OSBA), criada em 30 de setembro de 1982, é um corpo artístico do Teatro Castro Alves e que teve seu processo de publicização consolidado em abril de 2017. Desde então, a Associação Amigos do Teatro Castro Alves (ATCA) – entidade sem fins lucrativos qualificada como Organização Social (OS) – realiza a gestão da OSBA, que permanece como corpo artístico público, sendo mantida com recursos diretos do Governo do Estado da Bahia, através da sua Secretaria de Cultura (SecultBA).
SERVIÇO:

02/OUT – 1ª EDIÇÃO LIVE VOLTANDO AOS PALCOS | OSBA E BTCA

“ENTRE MINHA MÃO E A SUA HÁ MAIS QUE UM ABRAÇO”

Local: Sala do Coro TCA
Transmissão ao vivo na TVE Bahia e no Canal do TCA no Youtube  (  www.youtube.com/teatrocastroalvesoficial).
Horário: 20h
Criação e interpretação: Jai Bispo e Luiza Meireles
Músicos: Mário Soares (violino) e Eduardo Torres (piano)

Programa:
JULES MASSENET – Meditação de Thaís
VITTORIO MONTI – Czardas
CAMILLE SAINT-SAËNS – Cisne de “O Carnaval dos Animais”
EDWARD ELGAR – Salut D’Amour


Fonte: Ascom/ Osba