Fórum
Foto: Reprodução

Já está no ar o site do II Fórum Internacional de Meio Ambiente e Economia Azul, realizado pelo Governo da Bahia, entre os dias 23 e 25 de setembro. Totalmente online, o evento terá mais de 90 palestrantes de renome nacional e internacional, com mais de 30 horas de conteúdo, e tradução simultânea (inglês/português). No site é possível conferir toda a programação do fórum e também do I Encontro da Rede Nordeste de Meio Ambiente, evento promovido pelos nove estados da região Nordeste do Brasil, que ocorrerá paralelamente ao II Fórum.

Com inscrições abertas, o evento já registra mais de 2,5 mil participantes e visa à formação de uma grande rede de pesquisa e estudos sobre os oceanos, estabelecendo conexões de ações de inovação voltadas para conservação do meio ambiente marinho e desenvolvimento sustentável. Este ano, com o tema ‘Inovação, sustentabilidade e preservação do ambiente marinho na recuperação econômica pós-pandemia’, o evento estará dividido em sessões plenárias e workshops que abordam o tema central.

Os interessados podem se inscrever no site do evento. Para participar de toda a programação, é preciso se inscrever em cada uma das sessões separadamente. Essa alternativa de inscrição foi necessária para evitar sobreposição de horário, ou seja, quando a programação de uma sessão estiver atrasada, a sessão seguinte poderá ser iniciada de forma concomitante, sem prejuízo de tempo para os palestrantes.

Divulgação de projetos

Pesquisadores, estudantes e gestores ambientais podem ainda participar da plataforma com a divulgação de projetos e trabalhos acadêmicos, nas sessões ‘Mentes que Brilham’ – espaço reservado para as organizações, públicas ou privadas, que desejarem apresentar seus projetos, ações e produtos; e ‘Vídeos-pôsteres’ – espaço reservado para apresentação de trabalhos acadêmicos no formado de vídeo-pôster.

O Fórum é uma realização do Governo da Bahia, por meio da Secretaria do Meio Ambiente (Sema) e do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), em parceria com a Universidade Federal da Bahia (Ufba) e o Atlantic Internacional Research Centre (AIR Centre).

Fonte: Ascom/Sema