Salas de Gênero
Foto: Reprodução

Nesta quarta-feira (9), as secretarias estaduais de Políticas para as Mulheres (SPM) e da Educação, por meio do Instituto Anísio Teixeira (IAT), realizaram uma aula online para discutir a situação das mulheres no período pandêmico. A atividade faz parte do projeto Salas de Gênero, que tem como objetivo promover a formação dos profissionais da educação e estudantes sobre temas relacionados a gênero, além de propor reflexões que conduzam práticas pedagógicas que estimulem o respeito e a igualdade nos ambientes escolares como estratégia de prevenção e enfrentamento à violência contra as mulheres e meninas.

“Vamos juntar as nossas forças para contribuir com o movimento, com o universo feminino e, neste contexto, temos que seguir aprendendo e nos unindo”, pontuou a diretora-geral do IAT, Cybele Amado.

A secretária de Políticas para as Mulheres, Julieta Palmeira, destacou que “com essas atividades, temos a oportunidades de falar com mais pessoas sobre o tema que é super importante. E a secretaria tem trabalhado bastante todos esses aspectos, no que se refere ao impacto da pandemia entre as mulheres. O momento tem potencializado a diferença de gênero e isso envolve a necessidade objetiva de se discutir essa questão”.

Reforçando a necessidade de falar sobre o tema nas escolas, a superintendente de Políticas para a Educação Básica da Secretaria da Educação, Manuelita Brito, reforçou o debate de gênero e a reorganização curricular e afirmou sobre a importância desta reflexão dentro das escolas. “A pandemia afeta muito e a escola faz parte desse contexto, principalmente no sentido da prática e no cotidiano. Precisamos discutir esses assuntos e essas atividades vão criando novas formas de lidar com esse tema para trabalhar com os estudantes”.

Após a saudação das autoridades, a coordenadora de Enfrentamento à Violência contra Mulher da SPM, Lanai Santana, apresentou as ações providas pela SPM e dados sobre o cenário feminino durante a pandemia e, assim como Manuelita, ressaltou a importância de abordar esses assuntos nas salas de aulas. “Precisamos falar disso com os estudantes. Existem muitas meninas e meninos que presenciam a violência cotidiana em suas casas e, ainda existe uma falta de conhecimento dos professores e colabores de como enfrentar e ajudar aquela criança que tem uma situação violência doméstica familiar”.

Sobre os cenários de violência doméstica, Lanai Santana apresentou e lamentou o aumento dos dados neste período. “Infelizmente, neste momento de pandemia, nós temos vistos dados que são crescentes e o isolamento social faz com que as mulheres não saiam de casa por problemas financeiros ou pela preocupação com a família”, finalizou.

Fonte: Ascom/IAT