Durante a reunião do Conselho da Fundação de Amparo à Pesquisa da Bahia, nesta terça-feira (8), ficou estabelecido que os estudantes bolsistas da Fundação, seja aluno de mestrado ou doutorado, poderão ter o período do contrato referente à sua pesquisa científica prorrogado em dois meses desde que as restrições decorrentes do isolamento social necessário ao combate da pandemia tenham afetado o regular desenvolvimento do seu curso. Cada instituição de ensino que possui vínculo com a Fapesb ficará responsável por encaminhar os projetos que estão aptos à prorrogação, às pesquisas científicas que possuíam prazo anterior de conclusão entre maio de dezembro de 2020.

De acordo com a secretária de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), que é presidente do Conselho, esta é a terceira reunião do colegiado, em 2020, para tratar dos interesses não só da Fundação, mas também de seus bolsistas, no que diz respeito ao enfrentamento da pandemia. “Reunimos esforços para que pudéssemos ofertar a melhor forma para os pesquisadores continuarem seus trabalhos. Em meio ao período que estamos vivendo, a sociedade, de modo geral, pôde reconhecer a importância da ciência, na busca por informações técnicas e na espera de uma vacina. A partir disso, não poderíamos deixar os cientistas desamparados, e, por isso, queremos incentivar os bolsistas, através desta prorrogação excepcional de bolsas e da entrega dos relatórios de trabalho, a continuarem seus projetos”, destacou, reiterando que a Fapesb está atenta às necessidades que surgem com a pandemia e segue os compromissos do Governo do Estado, relacionados à pesquisa e formação de pessoas de alta qualidade.

O diretor da Fapesb, Márcio Costa, acredita que essa decisão do Conselho reforça a preocupação e o esforço em auxiliar os bolsistas, ofertando mais tempo para terminarem a pesquisa. “Assim como diversos outros âmbitos, a pós graduação, de modo geral, foi atingida durante a pandemia, visto que estar em laboratório ou em campo, era praticamente impossível, devido às medidas de isolamento social recomendadas pela Organização Mundial  de Saúde (OMS). Dessa forma, todos os bolsistas que tiveram o trabalho afetado de alguma maneira pela pandemia poderão ter suas bolsas prorrogadas. Esta é uma ação importante que, mais uma vez, demonstra a preocupação e o zelo que a Fundação tem para com seus bolsistas e suas determinadas pesquisas”, completou.