Em pouco mais de um ano e meio de implantação do RH Bahia, o novo sistema informatizado de gestão de Recursos Humanos do Estado já viabilizou a concessão de mais de 9.200 processos de concessão de aposentadoria e 2.100 pensões. Para além desses números, a ferramenta – que é responsável pela automatização de mais de 90% dos processos de gestão de pessoas do Estado – vem trazendo uma série de benefícios para a Previdência Estadual que vão desde um controle mais efetivo e agilidade em processos da área até maior facilidade na extração de relatórios para a identificação de não-conformidades com impacto negativo para os cofres públicos. 

A diretora de Benefícios da Superintendência de Previdência (Suprev), Joana Pinheiro, informa que os ganhos incidem sobre uma série de procedimentos relacionados à concessão de benefícios e ao processamento da folha de pagamento dos mais 130 mil aposentados e pensionistas do Estado. “O sistema é todo parametrizado de acordo com a legislação e as regras do Estado e é isso que permite minimizar o risco de erro humano, aliado à automatização de muitas etapas”, explica. Como exemplo, ela cita o ingresso de novos pensionistas. Durante este processo, o sistema verifica em seu banco de dados informações relevantes para o cálculo da pensão – como a data de óbito do ex-servidor –  de modo a não permitir a aplicação de regras  incompatíveis com a situação. 


Reforma por idade

Outro exemplo prático é a automatização completa da publicação de atos de concessão de reforma por idade a policiais militares. “Como a legislação estabelece que os militares – após alcançar uma determinada patente e idade – são obrigatoriamente reformados, a qualquer momento nós podemos solicitar ao sistema que levante em seu banco de dados os militares que cumprem os dois requisitos”, esclarece Joana. A partir daí, o ato é gerado de forma automática, só havendo a necessidade de passar por processos de conferência e validação.    
De forma semelhante, o software tem permitido agilizar a concessão de isenção de Imposto de Renda a aposentados que sofrem de doenças graves como cardiopatias e neoplasias, conforme previsto na legislação. Nestes casos, o RH Bahia é utilizado para identificar de forma automática os servidores inativos que contam com laudo concedido pela Junta Médica confirmando o problema de saúde. 


Processamento segmentado

A agilidade também foi o principal ganho proporcionado pelo chamado “processamento segmentado da folha”. Joana explica que, após o fechamento provisório da folha de pagamento, é feita uma conferência com o objetivo de identificar inconsistências. Uma vez identificados estes casos, é preciso realizar um reprocessamento. 
“Graças à nova funcionalidade, hoje é possível executar o procedimento em cerca de 15 minutos, porque nós podemos reprocessar apenas o lote onde foram identificadas as matrículas com possíveis inconsistências”, completa a diretora.  O ganho de tempo tem impacto positivo inclusive sobre o atendimento ao cidadão realizado nos postos da Rede SAC, já que, durante o reprocessamento, o sistema fica temporariamente indisponível para os atendentes. 


Acesso a relatórios

Em paralelo, a Superintendência de Previdência vem se beneficiando da maior autonomia que o sistema lhe proporcionou no acesso a relatórios com uma grande gama de informações de apoio à gestão. O acesso a estes relatórios – extraídos a partir da ferramenta de Business Intelligence do RH Bahia (o BW) – vem facilitando inclusive os processos de controle interno da Suprev, como a análise das diversas gratificações e suas incidências de forma a garantir o pagamento devido e adequado às normas vigentes.
“São inconsistências que geram prejuízos para os cofres públicos e que nós conseguimos sanear graças aos relatórios oferecidos pelo próprio sistema”, informa Silvia Roberta Machado, coordenadora de Controle de Benefícios da Suprev, Do mesmo modo, Sílvia conta também que os relatórios do RH Bahia vêm ajudando a sua equipe a identificar não conformidades nos valores do 13º salário pagos aos recém-aposentados, como consequência das diferenças no cálculo na transição da atividade para a inatividade. “A tendência, no entanto, é que inconsistências como estas deixem de ocorrer, na medida em que o próprio sistema vem sendo constantemente aperfeiçoado para impedi-las”, acrescenta Sílvia.


Fonte: Ascom/ Saeb