2 de Julho
Foto: Manu Dias/GOVBA

A Secretaria da Educação do Estado divulgou, nesta terça-feira (11), no Diário Oficial da Bahia (DOE), a portaria nº 464/2020, que institui o Prêmio Luís Henrique Dias Tavares. O prêmio consiste na seleção de textos literários, técnicos/científicos e de registros de estudos e pesquisas, que abordem temáticas das lutas da Independência na Bahia, com epílogo no 2 de julho, para publicação digital, em edição especial da Revista Estudos, do Instituto Anísio Teixeira (IAT).

A iniciativa presta uma homenagem ao professor Luís Henrique Dias Tavares, historiador e escritor brasileiro, imortal da Academia de Letras da Bahia, com destaque especial na produção literária da história da Bahia. Informações sobre o período de inscrições serão disponibilizadas posteriormente, no Portal da Educação.

A professora de História Catarina Cerqueira, do Colégio Estadual Professor Rômulo Almeida, localizado em Salvador, que contribuiu na elaboração do prêmio, ressalta a importância da iniciativa. “Luís Henrique Dias Tavares é um grande historiador baiano e sua obra é bibliografia obrigatória para todos que estudam a história da Bahia. Uma produção coletiva sobre a Independência na Bahia, envolvendo discentes e docentes, é uma justa e merecida homenagem a esse grande mestre”, afirma.

Poderá candidatar-se ao prêmio qualquer pessoa física, natural da Bahia ou radicada neste estado, que se enquadre nas seguintes categorias: estudante matriculado na rede pública estadual da Educação Básica ou da Educação Superior; docente em exercício de atividade profissional na rede pública estadual da Educação Básica ou da Educação Superior; profissional técnico-administrativo em exercício em instituição da Educação Básica ou da Educação Superior na rede pública estadual; além de pesquisador ou participante de grupo de estudo devidamente registrado em processo interno formal das universidades estaduais, nas suas instâncias da gestão acadêmica interna.

Grupos e critérios

O prêmio é subdividido em dois grupos. O primeiro é composto por pessoal do suporte técnico-administrativo e discentes da Educação Básica; que deverá produzir textos do campo da literatura, nos seus variados gêneros; ou em linguagem imagética. Já o segundo grupo é composto por docentes da Educação Básica; pesquisadores, docentes, discentes e pessoal do suporte técnico-administrativo das Instituições Estaduais de Ensino Superior, envolvendo a produção de textos do campo da literatura, nos seus variados gêneros; do campo técnico/científico; de registros de estudos e pesquisas; e linguagem imagética.

Serão selecionados os textos em cada uma das categorias, segundo os seguintes critérios e pontuações (escala de 0 a 100): congruência temática (30 pontos); multifuncionalidade da linguagem (20 pontos); clareza do registro textual (20 pontos); coerência, coesão e progressão textual (15 pontos); e arquitetura textual (15 pontos). Será constituída uma comissão responsável pela seleção, a quem incumbirá a convocação dos avaliadores.

Fonte: Ascom/Secretaria da Educação do Estado