Respiradores mecânicos
Foto: Divulgação/Senai Cimatec

O Senai Cimatec está realizando o reparo de respiradores mecânicos com defeito, em parceria com o Governo do Estado, por meio da Secretaria do Planejamento (Seplan). Até esta sexta-feira (21), a ação já reparou e devolveu em pleno funcionamento 300 respiradores mecânicos para os hospitais da Bahia.

“Este é um trabalho que reforça as UTIs com equipamentos que são essenciais para o tratamento das pessoas que apresentam os mais graves sintomas da Covid-19. Esta ação se junta a outras iniciativas em parceria com o Senai Cimatec e evidencia o comprometimento da instituição com a sociedade, além da sua competência técnica e capacidade de inovar”, destaca o secretário estadual do Planejamento, Walter Pinheiro.

De acordo com o diretor do Senai Cimatec, Leone Andrade, a equipe de profissionais dedicada ao reparo dos respiradores é formada por engenheiros clínicos, técnicos e engenheiros de eletrônica e mecânica, engenheiros de automação, gestores e o pessoal de logística. Leone também ressalta que esta iniciativa do Senai Cimatec está sendo replicada em outros estados brasileiros, além de países da América Latina e África.

“A iniciativa de manutenção de aparelhos surgiu aqui na Bahia. Rodamos todo o piloto deste programa, validamos os procedimentos de recolher, transportar, fazer limpeza e assepsia, realizar os testes iniciais e triagem, conserto e limpeza de filtros, calibração e teste de segurança elétrica. Estamos fazendo a capacitação remota em outros estados e países, espalhando esta iniciativa. Já são mais de 2 mil respiradores mecânicos recuperados em todo o país”, explica o diretor.

O presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb), Ricardo Alban, afirma que esta é uma iniciativa que se junta a outras da Fieb, no sentido de combater o avanço desta pandemia na Bahia. “Por isso, não estamos poupando esforços e atuando em várias frentes, a exemplo da produção de protetores faciais, do envase de álcool, da disponibilidade de computação de alto desempenho para pesquisadores, do desenvolvimento dos túneis de desinfecção, da aquisição de milhares de testes PCR, além da compra de novos respiradores mecânicos, dentre outras, sempre com a participação das indústrias da Bahia”.

Fonte: Ascom/Seplan