As medidas adotadas pelo Governo do Estado de restrição de viagem entre municípios baianos com casos confirmados do novo coronavírus foram apontadas como eficientes por um estudo desenvolvido pelo Programa de Gestão e Tecnologia Industrial – Centro Universitário SENAI CIMATEC. Em uma e-letter publicada no site da revista Science (https://science.sciencemag.org/content/368/6489/395/tab-e-letters), o estudo aponta que as ações colocaram a Bahia como um dos estados com menor proporção de indivíduos infectados (0,4%), taxa abaixo de outros locais como São Paulo (3.3%), Rio de Janeiro (3.35%), Ceará (4.46%), Pernambuco (3%), Pará (5.05%) e Amazonas (10.6%). ​

De acordo com o secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, "o artigo demonstra que a Bahia teve taxas tão baixas quanto na Alemanha (0,72%) e ainda destaca que barreiras sanitárias são eficientes e que a região Nordeste vem pautando as suas decisões em avaliações técnicas", destaca Vilas-Boas. ​

A e-letter aponta que a região Nordeste é mais aberta a pareceres científicos e que criou um comitê científico, em estreito contato com os governadores, para o desenvolvimento da ciência e encontrou maneiras de restabelecer o ‘novo normal’.​

O estudo feito na Bahia está atrelado a uma publicação com o título "O efeito das restrições de viagem na propagação do novo surto de coronavírus de 2019 (Covid-19)". A pesquisa apontou que a análise do surto de Covid-19 e a avaliação de modelagem dos efeitos das limitações de viagens, medida adotada precocemente pelo Governo da Bahia, podem ser benéficas para as agências nacionais e internacionais para o planejamento da resposta em saúde pública.

 
Fonte: Ascom/ Sesab