Em entrevista ao vivo para a TV Sudoeste, afiliada da Rede Bahia em Vitória da Conquista, o governador Rui Costa avaliou positivamente um dos resultados da antecipação de feriados, com a redução da taxa de contaminação na Bahia para 4%. Apesar do êxito, Rui espera que o índice diminua ainda mais, chegando ao patamar entre 2,5% e 3%, “para termos a situação sob controle”. 
Questionado sobre o chamado ‘platô’ da curva epidemiológica, o governador avaliou como uma vitória o fato de a Bahia ter se mantido por quatro dias com a estatística de pacientes ativos sem crescer. “Foi um avanço importante, mas isso não significa que a guerra foi vencida”, ponderou. Para o chefe do Executivo baiano, o bom resultado serve, principalmente, “como uma luz no fim do túnel para manter as pessoas mobilizadas, caminhando para sair desse túnel escuro”.
Rui lamentou que disputas políticas locais tenham impedido a aprovação da antecipação de feriados municipais em Jequié e informou que irá tratar com as autoridades municipais para encontrar alternativas. “Tenho priorizado dialogar com o município para não tomar medidas unilaterais, porque as coisas pactuadas dão melhor resultado", afirmou. Na cidade, o número de casos continua a crescer, embora tenha ocorrido a redução da taxa de contaminação: de 20% há duas semanas para 5%.
Sobre o esgotamento dos leitos de terapia intensiva em Jequié, onde estão desocupados apenas dois dos 19 leitos de UTI disponibilizados para pacientes covid-19, o governador anunciou a ampliação da oferta em uma instituição privada, mas descartou a montagem de hospital de campanha. “Não adianta abrir estruturas provisórias se não tiver equipes médicas e equipamentos suficientes”, argumentou Rui, lamentando haver hospitais de campanha montados em outros estados, mas sem funcionar por falta de pessoal especializado. Para ampliar a oferta de leitos de UTI na cidade, o Governo do Estado vai emprestar respiradores mecânicos a um hospital privado contratado pela Secretaria da Saúde (Sesab).
O governador reforçou o apelo que faz diariamente pela imprensa e pelas redes sociais para que a população de Jequié, onde a pandemia ainda está longe de ser controlada, evite aglomerações. “Se precisar sair, é importante a pessoa manter a distância mínima em relação às outras e usar corretamente a máscara, para que ela funcione como uma barreira física capaz de evitar a contaminação”. No mais recente boletim epidemiológico divulgado pela prefeitura, Jequié contabilizava 329 casos confirmados, 19 mortes causadas pela doença e 1.616 pessoas em quarentena.
Repórter: Tácio Santos