Em todo o estado, uma estrutura com 2.418 leitos de referência para a coronavírus (Covid-19), entre clínicos e UTIs, adultos e pediátricos, está sendo montada para o atendimento de baianos infectados pelo vírus. O município com maior número é Salvador, com 1.399 leitos. "Nós ampliamos muito a nossa rede de atendimento em toda a Bahia, porque precisamos estar preparados para atender as pessoas. O crescimento do número de infectados é muito rápido, acontece de forma exponencial. Quando menos se espera, há uma explosão de casos", afirmou o governador Rui Costa.
Rui também comentou a chegada de novos equipamentos. "Estamos aguardando que os respiradores que compramos no exterior cheguem no Brasil para reforçar a estrutura que montamos. Nós mudamos a rota de entrega dessas compras para evitar a passagem pelos Estados Unidos e outros países que possam sequestrar esses equipamentos. Temos previsão de chegada já na próxima semana".
Estrutura
O interior da Bahia dispõe de 1019 leitos de referência para a Covid-19. Lauro de Freitas é o segundo município com mais leitos, totalizando 301 vagas, sendo 91 UTIs. A maior contribuição será do Hospital Metropolitano, cuja abertura será no mês de maio, com 191 leitos. O município de Feira de Santana será o terceiro com o maior número de leitos para coronavírus, totalizando 140 vagas, que estarão distribuídas entre o Hospital da Criança, o Hospital Geral Clériston Andrade e o Hospital Mater Dei. 
Vitória da Conquista e Ilhéus terão, respectivamente, 81 e 61 leitos voltados para os pacientes com diagnóstico positivo de Covid-19. Em Vitória da Conquista, o Hospital das Clínicas e o Hospital Geral são as unidades preparadas para receber os pacientes graves. Já em Ilhéus, o Hospital do Cacau e o Hospital de Ilhéus são as unidades de referência e retaguarda. Já em Seabra, o Hospital Regional da Chapada está dedicando 46 leitos, sendo dez UTIs e 36 leitos clínicos. A lista completa de cidades e unidades de referência está disponível no site da Sesab
Somam-se à estrutura 285 leitos para atender pacientes de baixa complexidade, que não tenham coronavírus. As unidades localizadas na capital baiana e São Félix são fundamentais para absorver os pacientes dos hospitais gerais. As unidades só receberão pacientes regulados pela Central Estadual de Regulação.  
Pronto Atendimento
Já está em funcionamento um total de 53 Unidades Pronto Atendimento (UPAs) voltadas para a classificação, manejo clínico, estabilização do paciente e, caso necessário, regulação para unidades de maior complexidade. Outras 17 estão em processo de estruturação.
Insumos e equipamentos estão sendo enviados para estas localidades: Alagoinhas, Barreiras, Bom Jesus da Lapa, Brumado, Caetité, Camacan, Camaçari, Capim Grosso, Conceição do Coité, Cruz das Almas, Dias D’ávila, Esplanada, Euclides da Cunha, Feira de Santana, Gandu, Guanambi, Ilhéus, Ipiaú, Ipirá, Irecê, Itaberaba, Itacaré, Itamaraju, Itapetinga, Jacobina, Jequié, Juazeiro, Lauro de Freitas, Livramento de Nossa Senhora, Luís Eduardo Magalhães, Macaúbas, Maragogipe, Monte Santo, Morro do Chapéu, Paulo Afonso, Poções, Porto Seguro, Prado, Rio Real, Salvador, Santa Maria da Vitória, Seabra, Senhor do Bonfim, Serrinha, Simões Filho, Teixeira de Freitas, Tucano e Vitória da Conquista.  
EPIs  
Similar ao que ocorre em todo o Brasil, os governos têm se esforçado para garantir a quantidade necessária de equipamentos de proteção individual (EPIs) para os profissionais de saúde. Atualmente, o Governo da Bahia possui em estoque 879 mil luvas, mais de 922 mil máscaras cirúrgicas e 300 mil unidades da máscara N95. Além disso, o Governo do Estado adquiriu 32 milhões de luvas, 9 milhões de máscaras cirúrgicas e 1 milhão de máscaras do tipo N95, o que são suficientes para atender a demanda por até seis meses.