Já são 43,1 mil baianos da capital e do interior utilizando o aplicativo Preço da Hora Bahia, uma semana após o governador Rui Costa lançar oficialmente a ferramenta que permite a realização de cotações em tempo real, e sem sair de casa, a partir das informações extraídas das notas fiscais eletrônicas. Para pesquisar os preços dos produtos comercializados diariamente na Bahia, basta fazer a leitura do código de barras impresso na embalagem, usando o celular, ou digitar o nome do produto desejado. Também é possível pesquisar na página web precodahora.ba.gov.br. 
A pesquisa abrange todos os produtos vendidos no varejo, com destaque especial para combustíveis e medicamentos. Disponível para celulares Android e iOS, a ferramenta permite ao usuário fazer suas próprias listas de compras e obter as melhores cotações para elas, além de possibilitar a definição de  produtos favoritos para facilitar a pesquisa. 
O app já caiu no gosto dos usuários. Para o analista de sistemas Márcio Braga, morador do Imbuí, em Salvador, o Preço da Hora Bahia é extremamente útil, especialmente nesse período de isolamento social por causa do coronavírus. "Já faço a pesquisa dos produtos de que preciso antes de sair de casa e assim consigo passar menos tempo na rua pois já sei exatamente onde devo ir. Para medicamentos é excelente, tenho conseguido comprar produtos mais baratos do que antes do lançamento do aplicativo", garante.
“O aplicativo é muito útil, principalmente em tempos de quarentena em que não podemos sair por aí pesquisando preços dos produtos”, avalia a advogada Aretha Torres, que mora no Rio Vermelho. “É muito bom você poder ir direto ao local que está vendendo, por exemplo, álcool em gel a um preço mais acessível, e a ferramenta também mostra o melhor caminho e até o telefone do estabelecimento, para conferirmos se não foi uma promoção passageira caso o preço esteja muito abaixo da média”, ressalta, convencida de que o Preço da Hora Bahia “também pode fazer com que haja um maior equilíbrio nos preços em todos os estabelecimentos, já que o cidadão está controlando os valores do próprio celular”. 
Solicite a nota
Como as informações têm como fonte exclusiva as notas fiscais eletrônicas armazenadas na Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz-BA), torna-se mais importante do que nunca que o consumidor solicite a nota fiscal em todas as compras.  Com o Preço da Hora Bahia, destaca o secretário da Fazenda do Estado, Manoel Vitório, “cada usuário economiza, e todos ganham".
As informações são fornecidas pelas cerca de 180 mil empresas presentes nos 417 municípios da Bahia, ao emitirem a Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica (NFC-e) ou a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e). Diariamente, são mais de 3,2 milhões de notas fiscais processadas pela Sefaz-Ba, com picos superiores a 4,4 milhões. Só em Salvador são emitidas mais de 1,2 milhão notas fiscais eletrônicas todos os dias. O Interior, por outro lado, responde por 68% do total de produtos comercializados no varejo.
Informações úteis
O aplicativo utiliza a geolocalização do aparelho para encontrar os menores preços em um raio de até 30 quilômetros, que pode ser ajustado a parâmetros informados pelo usuário. Ao receber a relação de preços e locais onde eles estão sendo praticados, o consumidor terá na tela muitas informações úteis, a exemplo de quando foi realizada a última venda, telefone e rota para chegar ao estabelecimento. É possível, ainda, acessar um gráfico com o histórico de preços do produto.
O diretor de Produção de Informações da Sefaz-BA, Jadson Bitencourt, esclarece que os preços são obtidos dos dados de notas já emitidas, e que o estabelecimento não é obrigado a garantir um preço que tenha sido praticado em promoção ou situações como vendas a usuários fidelizados, descontos por pagamento à vista, promoções-relâmpago, entre outras. 
“O Preço da Hora Bahia exibe o preço praticado e o eventual desconto concedido. Por esta razão, principalmente quando encontrar preços muito menores que os de costume, o consumidor deve ligar para a loja e confirmar se o preço permanece o mesmo. Isto pode ser feito diretamente do aplicativo, que exibe o telefone informado pelo estabelecimento na nota fiscal”, explica Bitencourt. 
Fonte: Ascom/Sefaz-BA