Os danos causados pela pandemia do novo coronavírus também atingiram a Bahia, embora os números apresentados ainda não sejam alarmantes diante das medidas de contenção adotadas pelos governos estadual e municipais. No aspecto econômico, a Bahia se descolou do Brasil. Os primeiros resultados foram satisfatórios na safra de grãos, indústria e exportações. Comércio e serviços registraram queda. As informações foram analisadas pela equipe de Conjuntura Econômica da Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria do Planejamento (Seplan).
Essa queda na atividade econômica terá reflexos sobre a arrecadação de impostos. Segundo estimativa da Secretaria da Fazenda (Sefaz), pode haver uma perda de receita de R$ 1,5 bilhão apenas entre os meses de abril e junho deste ano.  
A economia mundial em queda e a brasileira no mesmo ritmo apontam previsões para a economia baiana também nada animadoras. As primeiras projeções, usando modelos e sensibilidade dos analistas apontam para uma queda entre 2% e 5% do PIB da Bahia em 2020.
Os detalhamentos dos setores, destacando alguns fatores que podem afetar as atividades de cada um, podem ser acessados no boletim completo no site da SEI.
Fonte: Ascom/SEI