Com o apoio dos 13 Centros Públicos de Economia Solidária (Cesols) do Governo do Estado, cerca de 250 associações, cooperativas e grupos produtivos baianos estão fabricando equipamentos de proteção individual (EPIs) usados no combate ao novo coronavírus. O potencial de produção diário desses empreendimentos é de 46 mil unidades de máscaras, aventais e toucas. O material já está sendo comercializado para prefeituras e a população em geral.
 
O secretário do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte da Bahia, Davidson Magalhães, destaca que 1,5 mil pessoas de diversos municípios do estado estão envolvidas na confecção das peças. “A adesão aumenta a cada dia. O Cesol Metropolitano II, em Lauro de Freitas, por exemplo, já tem pelo menos 50 costureiras de terreiros cadastradas para também iniciar a produção de EPIs”, completa. 
Doações 
Além de fornecer assistência técnica para a confecção dos equipamentos, os Centros Públicos de Economia Solidária estão ajudando a disseminar informações sobre o Covid-19, orientando sobre o acesso aos auxílios emergenciais disponibilizados pelo Governo Federal e por algumas prefeituras, e arrecadando alimentos para a população mais vulnerável. 
O Cesol Litoral Sul, com sede em Itabuna, arrecadou mais de três toneladas de alimentos e o Cesol Baixo Sul, localizado no município de Nilo Peçanha, conseguiu quatro toneladas. Os alimentos irão compor cestas básicas, que já começaram a ser distribuídas em bairros carentes e asilos.
Fonte: Ascom/Setre