A produção de máscaras artesanais para enfrentar a disseminação do Covid-19 tem gerado renda para as costureiras da Associação de Artesãos Mãos Que Fazem Arte, do município de Ituberá. O grupo recebe assistência técnica do Centro Público de Economia Solidária (Cesol) do Baixo Sul, ligado à Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), na produção, divulgação e comercialização das peças.

Na última terça-feira (14), a associação entregou um lote de 400 máscaras para a Cooperativa de Produtores de Palmito do Baixo Sul da Bahia (COOPALM). A venda foi articulada pelo Cesol da região. Os equipamentos de proteção individual serão distribuídos aos colaboradores da cooperativa, que já fez novo pedido após atestar a qualidade das peças.

Para dar conta da demanda de empresas e consumidores individuais, sete costureiras estão trabalhando diariamente, tendo produzido até agora mais de mil unidades de máscaras. A associação tem um portfólio amplo de produtos, que inclui desde peças de corte e costura, bonecas, peças produzidas com fibras de piaçava e até mesmo lanches.

O grupo é formado por 35 associados e, neste ano, adquiriu três máquinas de costura através do Fundo Rotativo, a partir de um projeto elaborado pelo Instituto de Desenvolvimento do Associativismo e Cooperação Solidária da Bahia (Idasb), em parceria com o Cesol Baixo Sul.

A pandemia do novo coronavírus levou a associação a priorizar a confecção de máscaras artesanais de proteção, em tecido de algodão. A fabricação do item é recomendada pelos órgãos de saúde. As máscaras funcionam como barreiras na propagação do vírus, ajudando a proteger principalmente do contágio via gotículas orais ou nasais.
Fonte: Ascom/ Setre