Profissionais que operam drones e interessados em atuar com o equipamento participam, nesta quinta-feira (6), do VI Encontro com Operações de Drones (ECOD), promovido pelo Grupamento Aéreo (Graer) da Polícia Militar da Bahia (PMBA), no auditório do Centro de Operações e Inteligência (COI) da Secretaria da Segurança Pública (SSP), em Salvador. Regras de voos, documentação necessária e os riscos de acidentes estão entre os assuntos discutidos durante painéis, videoconferências e reuniões. 
Além de orientar sobre voos de drones em geral, o curso presta informações sobre o uso do equipamento no circuito do Carnaval de Salvador. “No Carnaval, a gente tem um aumento da utilização dessas aeronaves não tripuladas e uma densidade populacional das pessoas que estão brincando. A preocupação da Polícia Militar é manter a proteção das pessoas. Portanto, os operadores que desejam fazer os seus voos devem fazê-los dentro do que preconiza a legislação, particularmente no que se refere à distância das pessoas e à documentação das aeronaves”, explicou o comandante do Graer, coronel Renato Lima.
Durante a festa, a PMBA atua por meio de fiscalizações e também é acionada pela população que se sentir ameaçada pela presença de um drone. Caso seja observado que a aeronave está a menos de 30 metros das pessoas, na horizontal, o risco de acidentes aumenta. “O gerenciamento de riscos é precedido de um estudo, uma análise, e os riscos devem ser gerenciados, mas é quase utópico fazer a eliminação total dos riscos”, completou o comandante. 
Um dos documentos necessários para operação de drones comercialmente é a análise de riscos, que requer que o operador vá até o local onde ele pretende usar o equipamento para verificar condições de obstáculos, interferência eletromagnética, entre outras dificuldades. Além disso, é preciso ter seguro contra acidentes, manual de operações da aeronave e certificações da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea).
Participam do evento profissionais interessados em atuar na área e aqueles que já trabalham com drones, como o produtor audiovisual Márcio Santos, pioneiro na operação do equipamento no Carnaval. “Trabalho no circuito Barra-Ondina e tenho que atuar na praia, pois não podemos sobrevoar multidões”, contou. 
Já a geógrafa Vanilda Alvim participa do ECOD como parte da capacitação para operar drones em função do seu trabalho, no qual precisa realizar imagens aéreas em regiões de difícil acesso. “É necessário que estejamos certificados e com conhecimento das normas da legislação para poder operar”, afirmou. 
Repórter: Lina Magalí