Financiar pesquisas científicas que busquem soluções para doenças prevalentes na população negra. Esse é o objetivo de um edital lançado pela Fundação de Amparo à Pesquisa da Bahia (Fapesb), que é vinculada à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti). 
Com o prazo de propostas encerrado nesta segunda-feira (17), a equipe responsável pelo edital comemora os números alcançados. Com 39 submissões, o edital se consolida com o dobro da quantidade de participantes que comumente demonstram interesse em temas específicos.
A iniciativa vai destinar R$ 1,1 milhão para pesquisas científicas que busquem soluções para patologias como doença falciforme, dentre outras que acometem a população negra. Os próximos passos envolvem o envio dos documentos para a fundação e sua análise para que tenha início o processo seletivo. Com 39 propostas, o edital supera o número de submissões de outros editais com direcionamentos específicos, que costuma variar entre 16 e 20 inscritos.
A secretária da Secti, Adélia Pinheiro, destacou o caráter de ineditismo em torno do edital e comemorou os números registrados pela Fapesb. “Essa é a primeira vez que uma Fundação de Amparo à Pesquisa do Brasil lança um edital voltado a um tema tão específico e urgente. Estamos felizes com os resultados iniciais e temos a certeza de que a Bahia sai na frente, mais uma vez, em busca de melhores condições de vida e saúde para a população negra”, disse.
De acordo com o diretor de Inovação da Fapesb, Handerson Leite, pesquisas voltadas a um tema tão específico mostram a sensibilidade do Governo do Estado para com a ciência e o desenvolvimento científico. “Isso é muito importante para a Bahia, pois a doença falciforme é prevalente em grande parte da nossa população. O edital dá abertura para melhorar as condições de tratamento e a qualidade de vida do cidadão ao buscar mitigar o número de pessoas que sofrem com este tipo de patologia”, afirmou.
Fonte: Ascom/Secti