A Secretaria da Educação do Estado promoveu, neste sábado (7), no Instituto Anísio Teixeira (IAT), em Salvador, o seminário ‘Universidade para Todos (UPT) 2019: formação, acesso e permanência das juventudes para a Educação Superior’. Durante o encontro, foi feito um balanço sobre o impacto e a relevância das ações desenvolvidas pelo UPT. O programa, que este ano alcançou 11.505 estudantes em todo o território baiano, é ofertado pela Secretaria da educação em parceria com as universidades estaduais da Bahia – Uneb, Uesc, Uefse Uesb.

O secretário da Educação, Jerônimo Rodrigues, que participou do encontro, falou sobre a importância do UPT. “A Educação Superior é muito cara para a sociedade brasileira, principalmente para a classe mais pobre, para as comunidades que não têm acesso à Educação com muita facilidade, a exemplo dos indígenas, quilombolas, moradores de municípios que estão muito distantes dos nossos campis. Então, o Estado vem fomentando estratégias que garantam o acesso e a permanência dos nossos estudantes nas universidades”.

O UPT, acrescentou o secretário Jerônimo, tem sido fundamental neste processo. “Hoje, portanto, é um dia muito importante para a gente, um dia de avaliação, de prestação de conta, com a presença de representantes das quatro universidades e do Fundo de Combate à Pobreza, além de professores, estudantes e familiares, todos focados na discussão sobre a garantia do ingresso e da permanência com qualidade do estudante na universidade, apontando para o que nós queremos realizar em 2010, contando com a participação e a qualidade das nossas universidades”, finalizou o gestor, que estava acompanhado do subsecretário Danilo de Melo Souza e do coordenador de projetos estratégicos da Secretaria da Educação, Március Gomes.

Relatos estudantis – Durante o encontro, beneficiários do UPT deram emocionantes relatos para o público presente, como foi o caso de Leiliane Silva de Jesus, 23, do município de Itacaré, no Sul da Bahia. “Sou mulher, negra, quilombola e o UPT foi de um grande incentivo para eu ingressar na universidade. Passei em dois cursos na Uneb: Pedagogia e Direito, sendo que este último passei em primeiro lugar dentro da minha modalidade. Minha família está muito orgulhosa de mim, porque fui a primeira da família a passar em uma universidade pública", relatou Leiliane, que está cursando o segundo semestre de Direito na Uneb de Valença.

O indígena Ryan Apetxanã, 18, que ingressou, este ano, no curso de Agronomia na Uneb de Juazeiro, também falou da oportunidade que teve ao estudar no UPT. “Somos da Aldeia Boca da Mata, em Porto Seguro, e foi com muita alegria e orgulho que digo que sou o primeiro da comunidade Pataxó do município a ingressar no curso que estou fazendo. O UPT foi muito importante para que este primeiro sonho se realizasse, que era ingressar no Ensino Superior, e o mais importante é que sai da minha aldeia para adquirir conhecimentos e vou retornar quando terminar o curso para aplicar os estudos teóricos na prática e, com isso, estarei ajudando o meu povo”.

Ryan participou do encontro acompanhado de sua mãe, a professora Juliana Pataxó, que falou sobre o papel do programa para a vida do filho. “O UPT foi essencial e de grande importância na vida da nossa comunidade, por isso continuarei sendo uma voluntária incentivadora do programa na nossa aldeia. Nada teria sido possível se o UPT não tivesse entrado em nossas vidas. O UPT faz a diferença e foi por meio desse programa e do esforço de Ryan que ele foi aprovado na Uneb”.

O reitor da Universidade Estadual da Bahia (Uneb), José Bites, também falou da importância do encontro para o fortalecimento do UPT. “É uma grande satisfação estar aqui, hoje, junto às outras universidades estaduais, avaliando sobre um programa da Secretaria da Educação que é um sucesso. O UPT é, hoje, o programa mais visível que temos em todo o Estado pela sua capacidade de inclusão social. E estamos presentes, por meio dos nossos estudantes, não apenas em cursos de pouca promoção social, mas também em cursos concorridos, como Medicina, Direito e Agronomia”.

Participaram, ainda, do seminário, a coordenadora geral do UPT, Patrícia Machado, e o diretor executivo do Fundo Estadual de Combate e Erradicação à Pobreza (FUNCEP), Marco Aurélio Lessa, além de gestores das demais universidades estaduais.
Fonte: Ascom/ Secretaria da Educação do Estado