O Centro Juvenil de Ciência e Cultura de Salvador (CJCC) oferece aos estudantes da rede estadual de ensino a oportunidade de participar de 32 oficinas, que englobam conhecimentos das mais diversas áreas. O terceiro ciclo das oficinas já foi iniciado e será concluído no próximo dia 6 de dezembro. As aulas ocorrem duas vezes por semana, no turno oposto ao regular. 
O CJCC funciona na mesma área do Colégio Central, no bairro de Nazaré. As inscrições para as oficinas seguem abertas durante todo o ano. Também são oferecidas vagas para atividades de férias, que ocorrem durante o mês de janeiro. Nesta temporada, as oficinas mais procuradas são de robótica, música e inglês. 
Os interessados em se inscrever em uma das oficinas devem ir até o local, como explica a vice-diretora do Centro, Ianê Barbosa. "O CJCC está de portas abertas para os estudantes. As matrículas não encerram, e fazemos o convite aos alunos do 9º ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio. O objetivo é reforçar e fortalecer ainda mais o aprendizado do ensino regular, por meio de atividades criativas e que despertam o interesse dos nossos estudantes". 
É possível consultar as informações sobre as oficinas no site da Secretaria da Educação ou pelo telefone (71) 3321 4028. Para a inscrição, é preciso apresentar cópias do RG e CPF, comprovante de residência e de matrícula, duas fotos 3×4 e documento com autorização de imagem assinada pelos responsáveis.
Entre as oficinas disponibilizadas, a de papéis interativos chama a atenção pelas esculturas produzidas com papelão. O professor de artes e responsável pela atividade, Ives Quaglia, destaca o caráter interdisciplinar da oficina. "Como a arte é transversal, nós trabalhamos proporções matemáticas, regra de três, escala e lógica. Também podemos abordar química e física. Tudo isso para produzir as nossas peças. As atividades que oferecemos aqui têm o caráter complementar  e reforçam o aprendizado desses estudantes no ensino regular", afirma. 
O estudante Rodrigo Lourival, 17 anos, participa da oficina há três anos e não pensa em abandonar as atividades. "Eu estou na oficina desde que comecei o ensino médio, porque me ajuda na carreira que quero seguir, que é Artes Plásticas. É um incentivo ótimo e dialoga com as atividades da escola. Só tem pontos positivos", conta.
No Centro Juvenil, os estudantes também têm acesso à oficina de música, que não pretende formar músicos, mas iniciá-los neste universo. O professor de música Alexandre Rebouças esclarece que não é necessário dominar nenhum tipo de instrumento para participar. "Cada um chega aqui com um nível diferente sobre a música em si. Nós trabalhamos a educação musical e a possibilidade desses jovens despertarem para o aprendizado de um instrumento ou o canto. É interessante a convivência em conjunto e colocar esses estudantes protagonizando essa formação musical. Todos são bem-vindos". 

Repórter: Jairo Gonçalves