Em ritmo de chula e samba de roda, o cantor e compositor Roberto Mendes se apresenta neste domingo (1º), a partir das 18h, no Passeio Público de Salvador (Campo Grande). O show integra a programação do Festival do Turismo Cultural da Baía de Todos-os-Santos, que apresentará o forte potencial da região para o turismo – desde a gastronomia até o artesanato e os atrativos culturais e naturais. 
O projeto é uma realização do Governo do Estado, por meio da Secretaria do Turismo (Setur) e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), por meio Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo Bahia (Prodetur Bahia). O evento põe em evidência os 18 municípios interligados pela Baía de Todos-os-Santos, por meio de debates, palestras, exposições, shows, gastronomia e manifestações culturais. 
A produção é do consórcio GKS/DAVENTURA, responsável pelas qualificações voltadas para a produção associada ao turismo (inserção de produtos e serviços locais na cadeia produtiva). Com composições interpretadas por artistas como Gilberto Gil e Maria Bethânia, o cantor, violinista, arranjador e compositor Roberto Mendes encerra a programação artística do festival com muito samba de roda, ijexá, MPB e, é claro, a tradicional chula.
 
Gênero praticado no Recôncavo Baiano desde 1800, a chula mescla conceitos de tambores com viola, sendo uma das maiores inspirações para o que viria a se tornar o samba. “A chula já era tocada nos canaviais do Recôncavo em meados do século XIX. Algumas décadas depois, Tia Ciata, mãe de santo e minha conterrânea, levou para o Rio a inspiração dessas manifestações, o que contribuiu para o surgimento do samba como conhecemos hoje”, conta o músico. 
A apresentação de Roberto Mendes, que é baiano de Santo Amaro, virá em boa hora, uma vez que o Dia Nacional do Samba é comemorado na segunda-feira (2). “Com essa homenagem antecipada, queremos pôr em perspectiva os avanços musicais da música baiana, ao mesmo tempo em que celebramos a tradição cultural da nossa região”, completa. 
Atrações
O secretário do Turismo da Bahia, Fausto Franco, explica que “o festival apresenta o potencial da Baía de Todos-os-Santos para o turismo. A musicalidade é um dos pontos fortes da região, que é única, não somente pelos atrativos culturais, mas também pelos naturais”. 
Além de Mendes, o final do evento terá as ilustres presenças dos grupos de Samba Esmola Cantada, de Cachoeira, Filhos de Nagô, de São Félix, e As Paparutas, da Ilha de Paty, que se unem para prestar reverência a um dos ritmos mais antigos e representativos do Brasil. 
“A Chula é como a matriz para o samba baiano, portanto valorizá-lo faz parte de um dever histórico e cultural que temos como cidadãos. Reunir esses artistas em prol do festejo musical é uma forma de disseminar a pluralidade artística e, claro, encerrar o Festival com chave de ouro”, comenta o coordenador executivo do evento, André Sá. 

Fonte: Ascom/Setur