A Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI) desenvolveu e mantém uma plataforma de estudos colaborativos denominada SEIColab, administrada pela equipe da Diretoria de Estudos (Direst), para discussão de temas multidisciplinares. Ela permite a colaboração de diversos setores da sociedade, com a finalidade de promover o debate público e a troca de conhecimentos por meio de estudos e projetos com caráter colaborativo. Esses projetos são estudos e pesquisas que priorizam a visão pluridisciplinar e a transversalidade dos temas propostos pela equipe SEIColab, que disponibiliza os textos para a participação coletiva em cada projeto, por meio do site.
“A colaboração é livre e está aberta a toda a sociedade. Estudantes, professores, gestores, empresários, políticos, pesquisadores e demais interessados em contribuir com as discussões propostas nos projetos podem se cadastrar no site SEIColab, efetuar login, fazer contrapontos/críticas, incrementar novas informações, lançar ideias, dentre outras formas de colaboração. Temos tido um crescimento nos acessos e colaborações, o que nos estimula a prosseguir os estudos e formas de propor novas discussões sobre temas estratégicos”, afirma o diretor de Estudos, Edgard Porto. 
A plataforma é composta por painéis multitemáticos nos quais são publicados os textos com suas referências teóricas e outras fontes devidamente identificadas. A equipe SEIColab, que preza pela transparência e cientificidade na forma de condução dos estudos e discussões, designa uma comissão de avaliação dos conteúdos enviados para cada painel. A comissão é integrada por membros da equipe SEIColab, bem como por convidados externos, tendo a função de avaliar os materiais enviados de acordo com as definições contidas nos critérios de avaliação SEIColab.
7 Municípios
Atualmente está disponível na plataforma o Projeto 7 Municípios, que é um estudo sobre a pobreza na Bahia com enfoque multidimensional. As dimensões analisadas são: renda, moradia, educação, saúde e demografia. Segundo o projeto, no entorno dos sete municípios com menor presença relativa de pobreza no estado foram formadas duas ‘manchas’ de caráter/recorte regional, com fortes indicativos de comportamentos sociais diferenciados. 
A Mancha Sudoeste, que abrange cinco municípios com menor pobreza (Caculé, Ibiassucê, Rio de Contas, Jussiape e Abaíra). Já na Mancha Valente, há apenas um município com menor pobreza (Valente), embora tenham sido identificados outros em situação intermediária que integram a referida Mancha: São Domingos, Retirolândia, Conceição do Coité, Nova Fátima, Riachão do Jacuípe, Ichu e Candeal. No entorno do município de Mucuri, um dos sete municípios com menor pobreza localizado no Extremo Sul da Bahia, não foi formada mancha com comportamento diferenciado.
Se forem tomados como referência alguns aspectos inerentes ao desenvolvimento regional, como ideias-força de caráter ideológico que conduzem processos estruturantes (incentivos em políticas públicas, investimentos privados, gestão regional das atividades socioeconômicas, politização/participação social, educação formal e educação informal como fatores positivos de formação, dentre outros), podem-se identificar pontos convergentes entre as três regiões estudadas, com resultados bastante diferenciados nos sete municípios.
Outros projetos
Além do Projeto 7 Municípios, há quatro novos em fase de construção dos textos, vídeos, reuniões temáticas e outras articulações interinstitucionais. Em breve, estarão disponíveis na plataforma dois deles: Logística de Transportes e Regiões Diferenciadas na Bahia. Os dois outros novos projetos são o denominado Rodadas de Discussão, que articula e discute temas estratégicos para o desenvolvimento da Bahia, e outro que propõe novos olhares sobre as territorialidades baianas.
A plataforma, além do próprio site onde abriga os textos, possui canal no YouTube, no qual veicula os vídeos dos seus colaboradores, e contas em redes sociais (Instagram e Facebook), nas quais são sempre postados conteúdos relacionados aos projetos que desenvolve. 
Fonte: Ascom/SEI