Preocupada com a saúde pública em função da grande quantidade de óleo que atinge o litoral baiano, a Agência Estadual de Defesa Agropecuária (Adab) distribuiu, nessa quinta (24), uma circular às empresas processadoras de pescados registradas no seu Serviço de Inspeção para que reforcem a vigilância e atentem para a Portaria 144, publicada pela autarquia em junho de 2019, que trata de boas práticas de comercialização, nos itens ‘análise laboratorial e rastreabilidade’.

O Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Agropecuária (SISBI/POA) é considerado equivalente ao Serviço de Inspeção Federal (SIF) fornecido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que reconheceu nos procedimentos adotados nas atividades de inspeção da Adab, padrões que atendem às exigências para a oferta de alimentos seguros.

“Já faz parte da rotina das empresas realizar os exames fisioquímicos e microbiológicos em toda a produção, no entanto, solicitamos maior atenção quanto ao cumprimento dos testes para garantir a inocuidade dos alimentos, nesse período que o óleo está presente no mar, uma vez que não sabemos o que pode causar à saúde humana”, ressalta o diretor-geral da Adab, Maurício Bacelar.

Fonte: Ascom/ Adab