Centenas de apicultores dos nove municípios que compõem o território de identidade Piemonte Norte do Itapicuru participaram do Seminário Territorial de Apicultura nesta quarta-feira (2), quando debateram questões como políticas públicas, acesso a mercados, legislação e manejo das abelhas. 
Realizado na Câmara de Vereadores de Campo Formoso, o seminário teve o objetivo de chamar a atenção dos produtores e produtoras de mel para as oportunidades de mercado e a importância de fazer um bom manejo e adequar os espaços de extração e beneficiamento do mel às normas da vigilância sanitária e de outros órgãos de fiscalização a exemplo da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab).
O evento é uma realização do Colegiado de Desenvolvimento Territorial do Piemonte Norte do Itapicuru e Prefeitura Municipal de Campo Formoso, com apoio do Pró-Semiárido, projeto executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR).
Na ocasião, a coordenadora de Apicultura e Meliponicultura da Superintendência da Agricultura Familiar (Suaf/SDR), Marivanda Elói, fez um panorama da conjuntura das políticas públicas voltadas para a apicultura no Estado e salientou a importância da organização dos apicultores. “A gente não trabalha com apicultores individualizados, a gente trabalha com grupos organizados. Neste sentido, as politicas públicas voltadas para a apicultura estão chegando de forma ordenada, de acordo com os planos de investimentos elaborados por cada município”, afirmou. 
Ações
Marivanda aproveitou ainda para citar algumas das ações do Governo no território, a exemplo do fomento à produção, com a distribuição de 287 kits de produção e 2.870 colmeias para fortalecer a atividade; e da construção da unidade de beneficiamento de mel (casa do mel) no povoado de Fumaça. As implementações são resultado das ações da Suaf, CAR e SDR por meio de projetos como o Pró-Semiárido e Bahia Produtiva.
O evento contou também com a participação da fiscal da ADAB, Solange Veras, que falou sobre a certificação dos produtos da colmeia; da representante do Banco do Nordeste, Carla Simone, que listou as linhas de crédito ofertadas para agricultores familiares; e da Presidente da Cooperativa Apícola e Pesqueira de Campo Formoso (Coopcaf), Joselita Lopes, que relatou a experiência com a produção e comercialização do mel, bem como as conquistas e desafios enfrentados.
“Esperamos uma comercialização recorde após os investimentos do Governo e que, com o selo [certificação], a gente possa melhorar a venda do mel", afirmou Joselita, recordando o apoio que o Governo do Estado tem dado para a qualificação e o fortalecimento da cadeia produtiva do mel. Ela revelou também que até setembro deste ano a Coopcaf já comercializou quase 38 tornadas de mel.
No encerramento do evento houve destaque para a importância de aumentar o consumo do mel e incentivar o uso do produto na dieta das populações locais. 

Fonte: Ascom/SDR