A Secretaria da Educação do Estado está promovendo uma oficina de dança nas unidades escolares que abrigam o projeto Escolas Culturais. O objetivo é promover o protagonismo estudantil e incentivar o aprendizado a partir desta manifestação artística. Nesta semana, a atividade está envolvendo estudantes dos colégios Estadual Pedro Calmon, em Amargosa, e do Centro Territorial de Educação Profissional (Cetep) do Recôncavo II Alberto Torres, em Cruz das Almas.
A oficina ocorre durante cinco dias. Neste período, os estudantes fazem uma verdadeira imersão sobre a dança. Aprendem, por exemplo, sobre estilos de dança e, a partir disso, desenvolvem coreografias que, ao final da atividade, são apresentadas para a escola e a comunidade. 
“A oficina oferece dança e também um pouco de teatro para promover a desenvoltura criativa, ajudando os estudantes no melhoramento do aprendizado em sala de aula. Inspirada no Black Dance e linguagens das danças urbanas, a oficina faz com que os estudantes criem coreografias a partir de temas ligados ao cotidiano de suas vidas e de sua convivência na escola”, explica a coordenada de dança do projeto Escolas Culturais, Francine Costa. 
O estudante Aleffy Henrique dos Santos Pinheiro, 18 anos, 1º ano do curso técnico de nível médio em Administração do Cetep, comentou que a oficina proporciona "momentos legais demais com os colegas. Eu já participei de grupos de dança na escola, mas esta oficina é especial. Converso com meus colegas no intervalo das aulas, falamos sobre a coreografia e as fases e estamos ansiosos para apresentar. A forma como a pró Francine ensina é muito marcante e a gente aprende mesmo”.
Foto: Divulgação
(Foto: Divulgação)
Gerciele de Souza Santos, 22, do 1º ano do curso técnico de nível médio em Análises Clínicas do Cetep, destaca que a oficina ampliou seu olhar para a dança. “As danças atuais são muito sensualizadas e precisamos desconstruir isso nas escolas. A oficina de dança vem, justamente, quebrar esse paradigma para levar aos estudantes um olhar mais voltado para a dança como elemento cultural, em que a história da música coreografada é pesquisada e toda a dança surge embasada nessa pesquisa. O resultado é muito mais rico e didático e, ao mesmo tempo, atrai o estudante a aprender”. 
Escolas Culturais 
Lançado em 2017, o projeto Escolas Culturais é resultado da parceria entre as secretarias da Educação, da Cultura (Secult) e da Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS), além da Casa Civil. A iniciativa já foi implantada em 85 unidades em toda a Bahia. O projeto incrementa a arte e a cultura no currículo, aliadas à oferta de cursos de qualificação e formação profissional nas respectivas áreas, além de integrar a escola com a comunidade.
Fonte: Ascom/Secretaria da Educação do Estado