Um artista plástico e cientista que marcou para sempre a história da humanidade. Assim foi o italiano Leonardo da Vinci. Em 2019, 500 anos após sua morte, a exposição ‘O Gênio dos Gênios’ presta uma homenagem a da Vinci por meio de 60 réplicas de suas obras, construídas pelo engenheiro Thales de Azevedo Filho. Pinturas e invenções estão em cartaz até 29 de setembro, no Palacete das Artes, no bairro da Graça, em Salvador.  
"É uma exposição na qual as pessoas participam, podem pegar nas peças. Quando a gente foi ver o acervo, o que muito impressionou foi a qualidade das peças e a unidade que elas têm. São obras de arte que as pessoas vão adorar e vão conhecer mais sobre Leonardo da Vinci", explica o diretor do Palacete das Artes, Murilo Ribeiro.
A mostra é uma oportunidade de conhecer a trajetória do gênio a partir de suas pinturas, incluindo a Mona Lisa e a Última Ceia, e invenções como as diversas criações náuticas, as máquinas de guerra (como o canhão e a catapulta), os instrumentos de aviação (como a asa delta, o helicóptero e o paraquedas), entre outras invenções que transformaram arte, ciência e tecnologia.  
"Eu levei 12 anos fazendo isso porque eu tinha visitado várias exposições do Leonardo pelo mundo todo e observava que algumas peças não tinham sido construídas, a exemplo do anemômetro de cubos cônicos, um testador de resistência de fios, etc. Eu me encantei pela originalidade das peças e pela atualidade delas. Leonardo está vivo. O avião está aí, o stand-up, a boia de salva-vidas, o escafandro e tanta coisa que ele fez que está na atualidade e foi um grande legado que ele deixou", afirma Thales de Azevedo Filho.
A entrada para a exposição é gratuita. O Palacete das Artes funciona de terça à sexta, das 13h às 19h. Aos sábados, domingos e feriados, o espaço abre das 14h às 18h.
Repórter: Lina Magalí