Há quatro anos, todas as primeiras terças-feiras úteis do mês, a Sala de Cinema do Museu Geológico da Bahia (MGB) se transforma em um espaço dedicado à música. E o melhor: o evento é gratuito, com retirada de senha na bilheteria do Cinema do Museu, a partir das 15h30. Nesta terça-feira (6), a camerata Quarteto Novo foi responsável pela apresentação. 
A iniciativa tem cativado o público, como o administrador Ivan Pimentel, que levou a filha Isabel, de cinco anos, para assistir ao concerto. “Eu comecei a ouvir música erudita há alguns anos e também comecei a introduzi-la neste mundo. Ela já reconhece algumas coisas. Agora estou aproveitando este espaço para dar a ela o que ninguém pode roubar, que é cultura. Eu já conhecia o museu, acho muito bem organizado, bonito, bem adequado para as crianças também”, afirmou. 
O engenheiro Luis Moraes é de São Paulo e está em Salvador pela segunda vez, com a mulher. Agora, ele descobriu o projeto Terça Musical no MGB. “Eu achei muito bom o espetáculo, com variados estilos musicais. Salvador e a Bahia estão bem servidos de música e cultura. Este projeto é importante, acessível, gratuito e apresenta coisas boas”.
Na Quarteto Novo, a flauta transversal é tocada por André Becker, o fagote por Ilza Cruz, Djalma Nascimento comanda o violoncelo e Margareta Cichilova, o violino. André Becker explicou que como o espaço do cinema "não é muito grande, não precisamos usar amplificação. Isso faz com o que público chegue mais perto da música sinfônica. Nós temos na Bahia uma escola de compositores premiados no mundo inteiro, e a gente toca de tudo. Nós apresentamos os instrumentos e também falamos da música sinfônica”. 
Na apresentação, arranjos de ‘Carinhoso’ e ‘Yesterday’ apareceram lado a lado com o famoso quarteto ‘Eine kleine nachtmusic’ (Serenata Noturna), de Mozart, bastante conhecido pelo público em geral.
O coordenador do Museu Geológico, Eli Sampaio, revelou que chegou a pensar que o projeto Terça Musical não vingaria. “No início, não vinha esse pessoal todo. Hoje a gente vê um público maior dentro da sala para assistir à apresentação. O intuito é aproveitar melhor o espaço. Então, quero convidar todas as pessoas para participar desse projeto, que é gratuito”.  
Formação de plateia 
Inaugurado em 4 de março de 1975, atualmente vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), o Museu Geológico é um centro de pesquisa, divulgação e preservação do patrimônio geológico da Bahia, que desenvolve projetos de cunho científico, educativo e cultural.
Já o projeto Cameratas da Orquestra Sinfônica da Bahia (Osba) tem como objetivo a formação de plateia para a música de concerto. Ele é apresentado por integrantes da Osba, que formam os grupos Opus Lumen, Bahia Cordas, Quarteto Novo e Quadro Solar.
Repórter: Raul Rodrigues