A Revolta dos Búzios, movimento revolucionário negro de 1798, completa 221 anos. Em 2019, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), trabalha pela visibilidade das heroínas negras que atuaram na revolta: Luiza Francisca, Lucrécia Maria, Domingas Maria, Ana Romana e Vivência Maria, historicamente esquecidas dos livros de história.
Neste contexto, a Sepromi promove nesta terça-feira (27), em Salvador, uma mesa de debate sobre a participação das mulheres negras nos movimentos revolucionários e nas lutas de hoje. O evento será às 16h30, no Teatro Jorge Amado, na Pituba, com participação da influenciadora digital e empresária Ana Paula Xongani; da cineasta Daiane Rosário; além da poetisa Bruna Silva. A mediação será feita pela jornalista Vania Dias e as intervenções culturais ficam por conta do Coletivo Frocêta.
Ao longo do mês, uma campanha vem sendo desenvolvida a partir de ferramentas de internet e materiais impressos, com o tema ‘A luta é feminina. A raça é negra’, reforçando a valorização e discussão sobre as questões raciais e de gênero.
Revolta dos Búzios
O levante, ocorrido na Bahia, é considerado um dos mais amplos da luta social e defendia a proclamação da República, o fim da escravidão, redução de impostos, além de outras pautas reivindicatórias.
Agosto da Igualdade 
Dentre as agendas do mês, no calendário intitulado ‘Agosto da Igualdade’, estão ações resultantes do Edital da Década Afrodescendente. Por meio da chamada pública, este ano, o Governo do Estado destinou R$ 2,4 milhões para execução de 44 projetos com foco na preservação da memória da Revolta do Búzios e de outras atividades como Julho das Mulheres Negras e Novembro Negro.
Fonte: Ascom/Sepromi