O fortalecimento das políticas públicas voltadas para o desenvolvimento dos Territórios de Identidade da Bahia foi tema de encontro entre os representantes do Conselho Estadual de Desenvolvimento Territorial (Cedeter) e dos 27 Colegiados Territoriais de Desenvolvimento Sustentável (Codeter), além dos Agentes de Desenvolvimento Territorial (ADT), realizado nesta terça-feira (30), na sede da Secretaria do Planejamento do Estado (Seplan), em Salvador.  
Os Territórios de Identidade são unidades de planejamento de políticas públicas da Bahia, sendo 27 no total, constituídos por agrupamentos identitários municipais formados de acordo com critérios sociais, culturais, econômicos e geográficos, reconhecidos pela sua população como espaço historicamente construídos ao qual pertencem, com identidade que amplia as possibilidades de coesão social e territorial.  
Na abertura da atividade, o secretário do Planejamento, Walter Pinheiro, destacou a importância da integração e alinhamento dessas instâncias no acompanhamento e nas proposições das ações voltadas para o desenvolvimento dos territórios. “O importante, inclusive, é essa nova prática de integrar todos os agentes, não somente no momento de perguntar a eles o que vamos colocar no Plano Plurianual, no Orçamento, na Lei de Diretrizes Orçamentárias", disse Pinheiro. 
Para Eleneide Alves, conselheira do Cedeter, este alinhamento entre os entes que compõem a política territorial é um grande passo. “Necessitamos deste alinhamento entre os coordenadores e os agentes de desenvolvimento para poder melhorar a política territorial, para o desenvolvimento ir mais alinhado, não apenas para o Governo, mas também para a sociedade civil”, destacou Eleneide, que também é coordenadora da Coordenação Estadual dos Territórios (CET).
Foto: Seplan
(Foto: Seplan)
A coordenadora do Codeter do Território de Identidade Sudoeste Baiano, Ana Paula Souza Dutra, também avaliou positivamente o trabalho integrado das instâncias territoriais. “Este é um momento de afinação de todos para que possamos caminhar com uma estratégia que possa desenvolver melhor a política territorial, que todos tenham a mesma afinidade de buscar a mesma discussão, a mesma fala diante da política territorial, para o desenvolvimento desta política de forma mais ampla", afirmou. 
Fonte: Ascom/Seplan