Os estudantes da rede estadual de ensino são incentivados, por meio do Programa Ciência na Escola (PCE), a produzirem projetos de iniciação científica para solucionar problemas identificados por eles no meio onde vivem.Tratam-se de projetos relacionados a questões como sustentabilidade, meio ambiente, tecnologia, empreendedorismo, saúde, entre outros. 
Assim, o programa desenvolvido pela Secretaria da Educação do Estado visa inovar e diversificar o currículo escolar, promovendo o acesso dos estudantes ao conhecimento científico, à cultura e à tecnologia, além de potencializar a produção e a divulgação científica. Em 2018, o programa alcançou 382 escolas, em 85 municípios, beneficiando 11 mil estudantes.
As Feiras de Ciências Escolares são a culminância das atividades desenvolvidas no Ciência na Escola, nas quais os estudantes e os professores orientadores apresentam projetos de pesquisas de diversas áreas do conhecimento, produzidos em sala de aula. Os projetos selecionados são apresentados durante a Feira de Ciências, Empreendedorismo e Inovação da Bahia (Feciba), realizada anualmente, em Salvador. 
Em 2018, a Feciba integrou a programação do Encontro Internacional Virtual Educa Bahia 2018 e incluiu a exposição de 404 projetos de pesquisa, dos quais 16 foram premiados com Chromebooks e credenciais para a participação dos estudantes em eventos científicos nacionais, a exemplo da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), em São Paulo.
Todos esses projetos de pesquisa, além de outros da Educação Profissional e Tecnológica, apresentados durante o Virtual Educa, estão reunidos na publicação ‘Práticas para Compartilhar’, disponível no Portal da Educação.
Eventos 
Entre os eventos nacionais em que os estudantes da Bahia foram destaque estão a IV Feira Nacional de Matemática, em Rio Branco, no Acre; Feira Nordestina de Ciências e Tecnologia, no Recife, em Pernambuco; Feira de Parauapebas de Ciências, Tecnologia e Inovação (FEPACT), em Parauapebas, no Pará; Prêmio Jovem Cientista, em Brasília; Prêmio do Criativos da Escola, em Fortaleza; Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia (33ª Mostratec), na cidade de Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul. 
Para a coordenadora do Programa Ciência na Escola, da Secretaria da Educação do Estado, Shirley Costa, "este ano marcou a história do Ciência na Escola pelo amadurecimento dos nossos jovens cientistas e consequente ampliação das oportunidades alcançadas em ambientes de popularização das Ciências. Tais conquistas se justificam pelos investimentos em formação de professores orientadores e estudantes pesquisadores, por meio de parcerias estabelecidas pelo programa com instituições que comungam com o nosso percurso formativo que prima pela inovação educacional". 
Bolsas de Iniciação científica 
Assim como ocorreu em 2017, este ano o programa também foi contemplado com 21 bolsas de Iniciação Científica Júnior do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) por meio da chamada CNPq/MEC/MCTIC/SEPEC Nº 27/2018. As bolsas serão destinadas aos estudantes pesquisadores que mais se destacarem na Feciba em 2019. 
Com o financiamento de R$ 100 por mês, recebidos durante um ano, os estudantes poderão melhorar e ampliar seus projetos de iniciação científica. Os bolsistas a serem contemplados precisam estar devidamente matriculados no período de vigência das bolsas.
Fonte: Ascom/Secretaria da Educação do Estado