Foi apresentado nesta quinta-feira (9), durante a 2ª Festa Literária Internacional do Pelourinho (Flipelô), o primeiro Diagnóstico da Literatura da Bahia, no Museu Eugênio Teixeira Leal, no Pelourinho. O material foi elaborado a partir do Mapa da Palavra, plataforma online lançada pela Fundação Cultural do Estado (Funceb) que permite o acesso a produções de artistas da palavra, escritores, poetas, perfomers, cronistas, recitadores, quadrinistas, ensaístas e cordelistas de todo o estado da Bahia. 
O Diagnóstico do Mapa da Palavra reúne dados estratégicos do setor, cuja análise e interpretação contribuem para o aperfeiçoamento das políticas públicas em todos os campos artísticos. Com o diagnóstico, é possível referenciar ações e programas para incentivar a literatura da Bahia, contribuir para estudos e pesquisas sobre o tema, e dar mais visibilidade aos artistas baianos, tendo como base o universo de 275 artistas da palavra inscritos e cadastrados no projeto.
Para diretora-geral da Funceb, Renata Dias, apresentar este diagnóstico na Flipelô é bastante significativo. “Segundo uma pesquisa divulgada recentemente, Salvador é a capital que mais lê. Então, nossa relação com a leitura é muito direta com a forma que nos formamos como povo. A entrega de um diagnóstico do campo da literatura no estado é o ponto de partida para toda decisão, sobretudo na formulação das políticas públicas, para que essas sejam formuladas de forma mais precisa e alinhadas com as demandas da sociedade”, afirmou. 
O assistente de coordenação de Literatura da Funceb, Ramon Paranhos, explicou o funcionamento do diagnóstico. “Ele traz um conjunto de dados, fazendo uma série de cruzamentos, observando critérios como raça, sexo e os territórios. Assim, temos uma noção de como é produzida, difundida e divulgada a produção literária na Bahia, e qual a participação desses agentes da literatura em eventos, políticas culturais e fomento. É importante que esteja sendo lançado na Flipelô, pois os dados indicam que este é também um importante espaço de difusão dos trabalhos”, contou.  
 
Uma realização da Fundação Casa de Jorge Amado, a 2ª Flipelô tem como tema a frase ‘A amizade é o sal da vida’, do autor baiano Jorge Amado, em homenagem ao também escritor João Ubaldo Ribeiro, grande amigo de Jorge Amado. O evento ganha ruas, largos, praças e casarões do Centro Histórico e promove a literatura em 13 espaços de cultura, de forma absolutamente gratuita. 
A Flipelô segue até o próximo domingo (12) com uma programação diversificada e para todas as idades. Mais de 50 atividades serão realizadas de forma gratuita.