A busca ativa de comunidades tradicionais de fundo e fecho de pasto foi pauta de um seminário realizado, nesta quinta-feira (10), no município de Casa Nova, no Território Sertão do São Francisco. Com a presença da titular da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), Fabya Reis, o evento também reuniu representações de Pilão Arcado, Juazeiro, Remanso e Campo Alegre de Lourdes.
A atividade cumpre uma das etapas do projeto de mobilização e articulação de lideranças, como foco na identificação das comunidades, presentes de forma significativa no semiárido baiano. O trabalho é viabilizado por meio de parceria entre Sepromi, Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CDA/SDR) e Central das Associações Agropastoril de Fundo e Fecho de Pasto (CAFFP).  
Na ocasião, Fabya Reis destacou que as ações fazem parte dos esforços para interiorização das políticas de igualdade racial e desenvolvimento dos povos e comunidades tradicionais. “Trata-se de uma medida que dará celeridade, sem dúvidas, ao processo de reconhecimento destes segmentos, inclusive enxergando, enquanto Estado, a presença ancestral das comunidades, dos seus modos de vida marcados pela coletividade, relação e pertencimento com os territórios, além das suas culturas e contribuições”, explicou. 
De acordo com a secretária, a iniciativa conta com recursos na ordem de R$ 1,4 milhão, apontados no Estatuto da Igualdade Racial e de Combate à Intolerância Religiosa. Durante o encontro, Fabya Reis ainda entregou certificados de reconhecimento a nove comunidades de fundo de pasto da região
Autoafirmação 
“Este é um processo interessante, pois as comunidades saem do lugar de invisibilidade histórica nas políticas públicas, avançando para a garantia de direitos, inclusive com a permanência nos seus territórios”, destacou Zacarias Rocha, da Articulação de Fundo e Fecho de Pasto. Ele também ressaltou a importância do processo de autoafirmação e organização das comunidades. “Tudo que conseguimos é a partir da luta. As políticas chegam através de um processo continuado de mobilização e fortalecimento".
O encontro teve a presença do coordenador executivo de Políticas para Povos e Comunidades Tradicionais da Sepromi, Cláudio Rodrigues, do coordenador geral de Articulação e Integração de Politicas Públicas da SDR, Guilherme Rodrigues, além de representações de universidades e movimentos de luta pela reforma agrária.
Políticas e investimentos 
Com a certificação em Casa Nova, o Governo do Estado alcança a marca de 374 comunidades certificadas, com outros 100 pedidos em tramitação. Por meio de parcerias com a Universidade Federal da Bahia (Ufba) e a CDA/SDR, serão viabilizados projetos voltados ao mapeamento e regularização fundiária de comunidades. Projetos de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) já são desenvolvidos junto aos segmentos, com investimentos superiores a R$ 10 milhões.
Fonte: Ascom/Sepromi