Segundo município do Território de Identidade Velho Chico a receber a visita do governador Rui Costa, nesta segunda-feira (30), Malhada foi beneficiada com um pacote de ações nas áreas de segurança hídrica, educação e agricultura familiar.

Na área de educação, Rui inaugurou o Anexo Estadual de Parateca, do Distrito de Parateca, prédio onde será oferecido o Ensino Médio com Intermediação Tecnológica (Emitec), atendendo comunidades quilombolas também dos distritos de Pau D´Arco, São Jenipapo, Papaconha, Vila Nova e Jacaré. Foram investidos recursos da ordem de R$ 885,7 mil.

Sobre a Escola em Parateca, Rui disse que foram investidos aproximadamente R$ 1 milhão para os jovens de toda comunidade. “A escola está concluída, em funcionamento, e eu tenho uma novidade para os jovens de lá – nós vamos implantar um curso técnico de agroprodução. Nossa meta é implantar em todas as escolas do Estado cursos técnicos e profissionalizantes. Também pretendo ir ampliando as unidades, transformando em escolas em tempo integral”.

Para melhorar o atendimento de água potável na região, Rui entregou um sistema de abastecimento, com investimento de R$ 170 mil, para beneficiar a comunidade de Parateca, e também assinou convênio com a Prefeitura de Jacaraci para a cessão de 20 reservatórios destinados às localidades de Itumirim, Baixa do Meio, Boa Sorte, Bom Sucesso, Lagoa das Bombas, Lagoa das Pedras, Lagoa de Cima, Lagoa de Fora, Maninho, Salto dos Bois e tábua, representando um investimento de R$ 95,5 mil.

Rui entregou ainda 297 certificados do Cadastro Ambiental Rural (CAR) para os pequenos agricultores da região e assinou convênios do Bahia Produtiva com as associações de Pescadores e Agricultores da Ilha do Zezé e de Piscicultores e Pescadores Artesanais de Malhada, beneficiando 82 famílias. O investimento foi de R$ 823 mil.

O agricultor Cláudio Moraes foi uma das pessoas que recebeu um Certificado Ambiental Rural. “É um documento que prova que eu protejo o meio ambiente. Então, a gente tem que respeitar mais a natureza para receber esse documento. E também as pessoas sabem que a gente está preparado para trabalhar na terra. Por isso, quando eu chegar agora em um banco, eu vou poder fazer um financiamento, pois esse documento é importante para isso”.

Repórter: Raul Rodrigues