Tendo como cenário o mar que lhes rende o ganha-pão mensal, marisqueiras, pescadores e técnicos se reuniram no Terminal Pesqueiro da Ribeira, em Salvador, para participar de uma oficina prática de capacitação. Durante a ação, que aconteceu na tarde desta quinta-feira (12), a categoria aprendeu mais sobre como construir projetos para programas voltados para a alimentação.

Ao orientar, por quatro horas, esses profissionais sobre o escopo e a legislação dos programas de Aquisição de Alimentos (PAA) e Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), a Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), em parceria com a Bahia Pesca e outros quatro órgãos, visou dar mais subsídios aos pescadores e marisqueiras, inclusive para facilitar a inclusão do pescado no mercado formal.

De acordo com a coordenadora de Promoção Social da Bahia Pesca, Eliana Carla Ramos, “atualmente, na pesca artesanal, pescadores e marisqueiras trabalham voltados somente para o mercado informal. A oficina vai diretamente lidar com a comercialização dos pescados, pois os editais são um meio para, justamente, ampliar o escoamento da produção”.

“Esse é um projeto dinâmico, que envolve uma aula prática de como alcançar essas políticas públicas e formular um modelo de acesso a esses editais, que costumam registrar entraves no momento do preenchimento de formulários”, complementa a coordenadora de Políticas Territoriais da SDR, Sarana Brito.

A pescadora artesanal Rosana Araújo conta que vai repassar tudo o que aprendeu para as companheiras. “Acredito que o pescado vai ganhar qualidade, pois passará a ser melhor manuseado, tendo a possibilidade de ser consumido até por supermercados e melhorando a qualidade do peixe que se come em casa”.

Nesta sexta-feira (13), a oficina também acontece em Salinas da Margarida, município litorâneo situado a 270 quilômetros de Salvador. Mais 30 marisqueiras e pescadores locais serão beneficiados. A ação ainda irá percorrer cidades como Madre de Deus, Valença, Camamu e Saubara.

Repórter: Renata Preza